Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de abril de 2017. Atualizado às 19h12.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

câmara dos deputados

Alterada em 19/04 às 19h18min

Oposição reage na Câmara contra urgência para reforma trabalhista

Após colocar novamente em votação o pedido de urgência para a reforma trabalhista nesta quarta-feira, 19, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), confrontou-se com a oposição no plenário. Os parlamentares contrários à nova votação fizeram uma questão de ordem, recusada pelo presidente, que também ignorou um recurso apresentado pelos deputados.
Diversos parlamentares da oposição então subiram à mesa de Maia gritando "Golpe, Golpe", o que deu início a um longo bate-boca, enquanto deputados da base gritavam "Voto, Voto". Líderes da oposição inclusive ameaçaram ir ao Supremo Tribunal Federal (STF) contra a nova votação pela urgência.
Visivelmente exasperado, Maia culpou a própria oposição pela falta de um acordo para que essa votação ocorresse em 3 de maio. "O PT impediu o acordo. Se o PT não quer votar, não vai 'esculhambar' a votação no plenário. Se a base tiver voto, ganha Se não tiver, perde", completa.
Deputados da oposição seguravam cartazes com a frase "Cunha de novo não" em referência à prática do ex-presidente da Casa em refazer votações perdidas. Um requerimento idêntico de urgência para reforma trabalhista foi derrotado ontem no plenário da Câmara, com o apoio de apenas 230 deputados, enquanto 163 votaram contra e apenas um parlamentar se absteve. Sem os 257 votos necessários, o requerimento foi rejeitado. Maia assumiu a culpa por ter encerrado a sessão com quórum insuficiente para aprovar o pedido.
Em discurso, o líder do PT, Carlos Zarattini (SP), fez ataques ao ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o acusou de "botar fogo" no País. O petista estendeu os ataques ao relator da reforma trabalhista, Rogério Marinho (PSDB-RN), e disse que seu parecer "é super-jabuti" plantado pelo relator.
O deputado afirmou que todas as entidades se manifestaram contra o projeto. As críticas também se voltaram contra o Ministério Público Federal. "Nós nessa Casa não somos o que os procuradores dizem que somos." Zarattini fez um apelo para que a votação fosse suspensa e que os líderes tomassem uma decisão conjunta. "PT não foge à responsabilidade de discutir cada tema dessa Casa", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia