Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 11 de abril de 2017. Atualizado às 19h44.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

senado

Alterada em 11/04 às 19h45min

Renan Calheiros diz que não há previsão para indicar nomes do PMDB para a CMO

Responsável por indicar os representantes do PMDB do Senado para a Comissão Mista do Orçamento, o líder da bancada, Renan Calheiros (AL), afirmou nesta terça-feira (11), que não irá se "precipitar" para encaminhar os nomes do partido.
O PMDB, por deter a maior bancada do Senado, tem como prerrogativa indicar o presidente da CMO, que irá conduzir as votações dos projetos orçamentários de interesse do governo.
"Não cogito precipitar as indicações do PMDB para compor a Comissão de Orçamento, até que sejam definidos os critérios para a escolha do relator, que será feita pelo presidente da comissão (cargo que caberá ao PMDB do Senado). Há um impasse que precisa ser resolvido e já expliquei as razões aos presidentes da Câmara dos Deputados, do Senado Federal e aos líderes", ressalta Calheiros em nota.
O impasse citado pelo senador se baseia no fato de que ele defende que seja indicado para a relatoria da comissão um integrante do PSDB da Câmara. O problema é que lideranças do PP também reivindicam a indicação para a cadeira, sob a alegação de que detêm, em conjunto com PTN, PHS, PtdoB, a maior bancada da Câmara. O receio de Renan, contudo, é de que a relatoria fique nas mãos de uma pessoa próxima ao líder do PP, Arthur Lira (AL), adversário político do senador em Alagoas.
Na nota divulgada, Renan cita também como um dos motivos para não se "precipitar" a CPI Anões do Orçamento, que investigou no final dos anos 80 congressistas suspeitos de envolvimentos em fraudes com recursos do Orçamento da União.
"Não sou saudosista dos anões do Orçamento e esta é uma oportunidade para oxigenar a comissão, acabar com feudos e dar aos trabalhos transparência absoluta", diz o peemedebista.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia