Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de abril de 2017. Atualizado às 19h22.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

terrorismo

Alterada em 20/04 às 19h25min

Estado Islâmico assume responsabilidade por ataque em Paris

Um policial foi morto e outros dois ficaram gravemente feridos em um tiroteio na Champs Elysees

Um policial foi morto e outros dois ficaram gravemente feridos em um tiroteio na Champs Elysees


THOMAS SAMSON/AFP/JC
O grupo terrorista Estado Islâmico reivindicou a autoria do tiroteio que ocorreu em Paris e que deixou um policial morto e ao menos dois gravemente feridos. Em um comunicado emitido pela sua agência de notícias, a Amaq, o grupo disse que o ataque foi provocado por Abu Yusuf al-Beljilki.
Pouco antes do Estado Islâmico assumir a responsabilidade, o presidente da França, François Hollande, disse que estava convencido de que as circunstâncias do tiroteio em Paris apontavam para um ato terrorista. O mesmo foi comentado antes pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
Sob condição de anonimato, dois policiais afirmaram que o suspeito matou um policial e feriu outros dois. Ele, no entanto, foi morto a tiros após abrir fogo contra uma viatura policial.
O porta-voz do Ministério do Interior francês, Pierre-Henry Brandet, disse que nenhum turista ou pedestre foi ferido durante o ataque na noite desta quinta-feira. Brandet se recusou a dar qualquer detalhe específico sobre o possível histórico criminal do suspeito. Segundo ele, Belkilki estava armado com uma arma de fogo automática, semelhante a uma "arma de guerra".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia