Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de abril de 2017. Atualizado às 17h36.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

ESTADOS UNIDOS

18/04/2017 - 17h37min. Alterada em 18/04 às 17h42min

Trump assina decreto para revisar programa de visto para estrangeiros

Segundo a Casa Branca, o programa de vistos prejudica os trabalhadores norte-americanos

Segundo a Casa Branca, o programa de vistos prejudica os trabalhadores norte-americanos


SCOTT OLSON / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / AFP/JC
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou um decreto nesta tarde que direciona uma ampla revisão no governo para reforçar as diretrizes de "compre produtos americanos" e "contrate americanos". O documento pede que as agências federais aumentem a fiscalização para empresas de tecnologia norte-americanas que contratam trabalhadores estrangeiros com mão de obra altamente qualificada, dentro do programa de vistos H1-B.
Segundo a Casa Branca, o programa de vistos prejudica os trabalhadores norte-americanos ao trazer um grande número de funcionários estrangeiros a um custo mais baixo, o que diminui os salários.
O decreto direciona as agências federais a propor novas regras que previnam a fraude na imigração e abusos do programa H1-B.
As agências também serão requisitadas a sugerir alterações para que o visto H1-B seja apenas concedido "aos trabalhadores estrangeiros mais qualificados e com os maiores salários".
Ao discursar em Wisconsin, Trump afirmou que o decreto "envia uma mensagem poderosa para o mundo" de que os EUA irão defender seus trabalhadores, "proteger seus empregos e colocar a América em primeiro lugar".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia