Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 23 de abril de 2017. Atualizado às 22h47.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança pública

Notícia da edição impressa de 24/04/2017. Alterada em 23/04 às 21h15min

Estado foi o que mais prendeu na Operação Avante Tiradentes

Estado empregou mais de 10 mil policiais militares durante operação

Estado empregou mais de 10 mil policiais militares durante operação


MARCO QUINTANA /JC
O Rio Grande do Sul foi o estado que mais prendeu pessoas durante a Operação Avante Tiradentes, realizada em alusão ao feriado de Tiradentes, patrono da Brigada Militar. Com efetivo reforçado de policiais militares e bombeiros, os agentes prenderam 492 pessoas, além de apreender 1,6 quilo de drogas e 230 veículos. Depois do Rio Grande do Sul estão Minas Gerais, cujos policiais realizaram 354 prisões; Bahia, com 287; e São Paulo, com 264.
Além disso, 31.662 pessoas foram abordadas no Rio Grande do Sul. No total, o Estado empregou 10.056 policiais e 4.325 viaturas durante a realização da operação. Um ato para representar a ampliação do efetivo foi realizado no largo Glênio Peres, na quinta-feira. Para mobilizar todos esses policiais, foi preciso suspender folgas e recrutar servidores administrativos e também aqueles que ainda passam por treinamento. Como resultado, a Brigada Militar gaúcha também atendeu a 1.546 ocorrências, apreendeu 42 armas, lavrou 2.129 infrações de trânsito, recuperou 46 veículos, registrou 220 termos circunstanciados e cumpriu 28 mandados de busca e apreensão.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia