Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 23h55.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

educação

Notícia da edição impressa de 07/04/2017. Alterada em 06/04 às 21h56min

Municipários e prefeitura de Porto Alegre seguem divergindo sobre mudanças no ensino

Marchezan e Simpa têm posições diferentes sobre carga horária

Marchezan e Simpa têm posições diferentes sobre carga horária


Mariana Carlesso/Mariana Carlesso/JC
Igor Natusch
Representantes do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa) tiveram reunião com o prefeito Nelson Marchezan Júnior e secretários na tarde desta quinta-feira. Na pauta, o impasse que envolve a rede municipal de ensino desde que foram anunciadas as mudanças na organização dos horários dentro das instituições escolares, em fevereiro. Os professores e servidores são contrários às modificações - que, segundo a prefeitura, amplia o período em que alunos estão em contato direto com os docentes.
A maior parte das escolas municipais ainda não implementou as alterações propostas pela prefeitura, que incluem mudanças no começo e término das aulas e nos horários de café da manhã e almoço. O sindicato trouxe à reunião um relatório, elaborado a partir das quatro escolas que aderiram ao novo calendário, e alega que todas estão descumprindo a normativa da prefeitura, seja por dificuldades de espaço físico ou de falta de pessoal.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia