Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de abril de 2017. Atualizado às 18h39.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

liga dos campeões

Alterada em 19/04 às 18h39min

Juventus segura o Barça, empata em 0 a 0 e vai às semifinais da Liga dos Campeões

Neymar lamenta eliminação do clube catalão contra a Juventus

Neymar lamenta eliminação do clube catalão contra a Juventus


MARCO BERTORELLO/MARCO BERTORELLO/AFP/JC
A Juventus segurou o Barcelona nesta quarta-feira e confirmou a classificação para as semifinais da Liga dos Campeões. Aproveitando a larga vantagem obtida com a vitória na ida por 3 a 0, em Turim, o time italiano mostrou toda sua experiência para garantir um empate sem gols no Camp Nou sem sequer sofrer grandes sustos e deu mais um passo na luta pelo título.
Desta vez, não houve milagre que salvasse o Barcelona. Depois de uma virada histórica contra o Paris Saint-Germain nas oitavas, quando perdeu na França por 4 a 0 e arrancou a goleada por 6 a 1 em casa, a esperança dos catalães era de uma nova reviravolta. Mas nesta quarta, havia do outro lado um adversário sereno, que soube administrar o duelo.
Competente, a Juventus chegou a ficar mais próxima do gol em alguns momentos desta quarta e segurou o poderoso adversário para ir à semifinal da Liga dos Campeões pela segunda vez nos últimos três anos, sendo que na outra caiu na decisão justamente contra o Barcelona, em 2014/2015. Agora, o time italiano corre atrás de seu terceiro título do torneio, o primeiro desde 1995/1996.
Perto também da sexta conquista do Campeonato Italiano, a Juventus volta a campo no domingo para encarar o Genoa, em casa. Já o Barcelona volta as atenções para a disputa do título espanhol com o Real Madrid, justamente seu adversário no clássico decisivo deste domingo, no Santiago Bernabéu.
O JOGO - Logo de início, o Barcelona viu que não teria um adversário acuado, como aconteceu com o PSG. Pelo contrário, a Juventus se recusava a aceitar a pressão e também tentava o gol nos contra-ataques. Assim, criou boa chance aos 12, quando Higuaín recebeu em boa condição na entrada da área, mas mandou por cima.
Aos poucos, no entanto, o Barcelona passou a levar vantagem através de uma marcação agressiva no ataque e encontrando espaços pela esquerda do ataque. Aos 16, Alba quase marcou após lançamento longo de Messi. Mais dois minutos e ele mesmo cruzou para Suárez, que errou o domínio. A sobra ficou com Messi, que ajeitou e bateu rente à trave, perdendo gol que não costuma desperdiçar.
O Barcelona ganhava campo e impunha um volume de jogo intenso, mas errava nas finalizações ou parava em Buffon, que fez boa defesa em chute de longe de Messi aos 30. A resposta da Juventus veio em novo contra-ataque que parou em chute ruim de Higuaín, facilitando a vida de Ter Stegen.
Neymar era o homem mais incisivo do ataque catalão na primeira etapa, mas exagerava nos dribles e na irritação em campo. No fim do primeiro tempo, chegou a receber cartão amarelo por entrada sem bola em Pjanic, um revide após falta dura do adversário em Messi.
Se no primeiro tempo o Barcelona acelerou o jogo, no segundo a Juventus começou aceitando o ritmo intenso e respondendo na mesma moeda. Em duas oportunidades, Cuadrado quase marcou nos primeiros minutos após receber sozinho pelo lado direito. Mas em ambas, o colombiano errou na hora da finalização.
Sem conseguir invadir a área adversária, o Barcelona passou a tentar em chutes de fora, como aos 10, quando Messi recebeu próximo à meia-lua e arriscou com muito perigo. Mas o cansaço e a frustração pelo placar foram minando as forças dos donos da casa.
Somente quando Buffon cometeu erro crasso na saída do gol, Messi teve a chance de direita, mas também falhou como não costuma e jogou por cima. Aos 23, foi a vez de Sergi Roberto, da entrada da área, jogar rente à trave, e nos últimos minutos, até Mascherano foi para o ataque e tentou após cruzamento de Neymar, mas Buffon desta vez fez grande defesa para assegurar o empate.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia