Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de abril de 2017. Atualizado às 08h12.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 21/04 às 08h16min

Petróleo opera perto da estabilidade, de olho em possível novo acordo da Opep

Os preços do petróleo operam perto da estabilidade na manhã desta sexta-feira (21), com os investidores avaliando as chances de o acordo de corte na produção da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) ser estendido por um período mais longo. Há a expectativa de que esse movimento possa neutralizar - ou ao menos minimizar - os efeitos do aumento de produção nos EUA.
Mas nem todos se mostram otimistas com tal possibilidade. De acordo com o Commerzbank, o ceticismo quanto à extensão do acordo da Opep está crescendo. Para os analistas do banco, ainda há um longo caminho a ser percorrido até que se chegue a um consenso de novo corte de produção dentro da Opep. Além disso, a instituição destaca que não está claro se o acordo seria ampliado por três ou seis meses e se grandes produtores de fora da Opep estariam dispostos a aderir a ele.
Os países membros da Opep se reúnem no fim de maio, quando o assunto deverá ser tratado.
Às 07h47min (de Brasília), o contrato WTI para junho na New York Mercantile Exchange (Nymex) subia 0,02%, para US$ 50,72 por barril, enquanto o Brent para o mesmo mês negociado na Intercontinental Exchange (ICE)tinha alta de 0,08%, a US$ 53,03 por barril.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia