Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 21 de abril de 2017. Atualizado às 08h02.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 21/04 às 08h08min

Bolsas asiáticas seguem Nova Iorque e maioria fecha em alta, mas cautela com França pesa

As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em alta nesta sexta-feira (21), acompanhando os ganhos das bolsas de Nova Iorque na sessão de ontem, que foram impulsionadas após o secretário do Tesouro dos EUA, Steve Mnuchin, dizer que planeja lançar sua proposta de reforma tributária "muito em breve". Ele também prometeu que uma revisão abrangente do código tributário será feita. No entanto, cautela em torno do tiroteio em Paris dias antes da eleição presidencial limitou os ganhos.
Em uma conferência promovida pelo Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês), em Washington, Mnuchin disse ontem que o Departamento do Tesouro está "muito perto de ser capaz de apresentar o que vai ser uma grande reforma tributária". Segundo o secretário, "esta será a mudança mais significativa para o código tributário desde o governo de Ronald Reagan". As bolsas de Nova York chegaram a subir mais de 1%, uma vez que uma redução nos impostos tende a beneficiar as empresas.
Por outro lado, cautela com a eleição presidencial na França, que acontece neste domingo (23) prevalece. Embora ainda não se tenha esclarecido qual dos dois principais candidatos se qualificará para o segundo turno, em 7 de maio, as pesquisas indicam que o candidato centrista Emmanuel Macron é o favorito, ainda que Marine Le Pen, candidata de extrema-direita e favorável a uma saída do país da zona do euro, esteja bem próxima, o que tem pesado sobre os negócios.
Ontem, um ataque a tiros reivindicado pelo grupo terrorista Estado Islâmico em Paris deixou um policial morto e ao menos dois gravemente feridos. Em um comunicado emitido pela sua agência de notícias, a Amaq, o grupo disse que o ataque foi provocado por Abu Yusuf al-Beljilki. Analistas temem que o incidente alimente um avanço de Le Pen, que é contra a imigração.
Em Hong Kong, o Hang Seng caiu 0,06%, a 24.042,02 pontos. Já o Xangai Composto, principal índice acionário da China, teve alta marginal de 0,04%, a 3.173,15 pontos, enquanto a bolsa de Shenzhen fechou em baixa de 0,4%, a 1.920,22 pontos.
No Japão, embora os temores de que o iene esteja super valorizado ainda prevaleçam, dados da indústria do país animaram os investidores por lá. O índice dos gerentes de compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial do Japão subiu para 52,8 em abril, de 52,4 em março, segundo dados preliminares da Markit Economics.
"Conduzido por uma firme demanda externa, o setor foi sustentado por um desempenho mais sólido nas exportações em abril, com as novas encomendas de exportações avançando num dos ritmos mais rápidos em três anos", disse Paul Smith, economista sênior da Markit. Diante disso, o índice Nikkei fechou em alta de 1,03%, aos 18.620,75 pontos.
O dia foi positivo também em Seul, onde o sul-coreano Kospi avançou 0,74%, a 2.165,04 pontos, e em Manila, com alta de 0,19% do filipino PSEi, a 7.578,16 pontos.
Por outro lado, o Shenzhen Composto, índice chinês de menor abrangência, caiu 0,44%, a 1.920,22 pontos, enquanto o Taiex avançou 0,88% no mercado taiwanês, a 9.717,41 pontos.
Na Oceania, a bolsa da Austrália estendeu os ganhos da última sessão. Com isso, o S&P/ASX 200 avançou 0,56% em Sydney, a 5.854,10 pontos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia