Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de abril de 2017. Atualizado às 19h52.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

20/04/2017 - 19h50min. Alterada em 20/04 às 19h52min

Banco Central avalia que Brasil está agora menos vulnerável a choques externo

Os diretores do Banco Central (BC) que participam da reunião do FMI em Washington estão transmitindo em suas apresentações na capital americana a mensagem de que a economia brasileira está menos vulnerável a choques externos e mostra sinais consistentes de estabilização no curto prazo.
Publicados no site do BC, os apontamentos dos discursos feitos pelos diretores do BC Carlos Viana (política econômica) e Tiago Berriel (assuntos internacionais) destacam a redução no déficit de transações correntes do País, para 1,2% do PIB em 12 meses até fevereiro, bem como o avanço dos investimentos estrangeiros para 4,6% do Produto Interno Bruto (PIB) e as reservas internacionais de US$ 375 bilhões, o que dá ao Brasil maior segurança para enfrentar períodos de turbulência.
De acordo com os diretores, a atividade econômica apresenta sinais consistentes de estabilização no curto prazo e indicadores disponíveis sugerem uma recuperação gradual ao longo de 2017.
Viana e Berriel frisam nas apresentações a importância de ampliar os investimentos em infraestrutura - importantes para estimular a produtividade - por meio de concessões e outros mecanismos. Esses investimentos, salientam, têm potencial de reduzir custos e riscos das atividades produtivas, ampliando o retorno esperado de outros empreendimentos - o que melhora o apelo a investidores de novos projetos no Brasil.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia