Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 18 de abril de 2017. Atualizado às 14h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

empresas

Alterada em 18/04 às 15h02min

Vendas do Casino crescem 11,6% no 1º trimestre, puxadas pela América Latina

As vendas do Grupo Casino cresceram 11,6% no primeiro trimestre de 2017 na comparação com igual período do ano anterior, chegando a € 9,321 bilhões entre janeiro e março deste ano. O resultado foi positivamente afetado por um efeito cambial. Descontado esse impacto e outros efeitos de calendário, o crescimento orgânico foi de 3,1% na comparação anual.
O grupo francês, controlador do brasileiro Grupo Pão de Açúcar (GPA), reportou números positivos para a América Latina. A receita na região, que considera não só a operação do GPA como a da rede Éxito, sediada na Colômbia, teve crescimento de 30,2% na comparação anual, chegando a € 4,348 bilhões. O crescimento orgânico foi de 7,7%.
A conversão de moeda foi favorável no trimestre nos casos das receitas obtidas no Uruguai, na Colômbia e no Brasil. A companhia destacou que a taxa média de câmbio no caso dos reais para euros resultou numa apreciação de 28,6% do real entre o primeiro trimestre de 2016 e o mesmo período deste ano.
A companhia destacou em sua divulgação de resultados o contexto de desaceleração da inflação nos países em que o grupo opera na América Latina, sendo a Argentina a única exceção. Sobre o Brasil, o Casino ressaltou uma recuperação nas vendas da rede de hipermercados Extra e crescimento da rede de "atacarejo" Assaí.
Na França, a receita do grupo chegou a € 4,504 bilhões, queda de 1% na comparação com o mesmo trimestre do ano anterior. A companhia afirmou que os resultados dos hipermercados na França foram afetados por uma redução no espaço de vendas e pela base de comparação difícil, uma vez que no ano passado o resultado foi positivamente influenciado por uma migração para televisão digital na França.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia