Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 23h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Empresas

Notícia da edição impressa de 07/04/2017. Alterada em 06/04 às 23h54min

Recuperações judiciais sobem 8,7% em março

O número de pedidos de recuperação judicial em março subiu 8,7% em relação a fevereiro e caiu 20,9% na comparação com o mesmo mês do ano anterior, informou a Serasa Experian nesta quinta-feira, 6. No mês passado, foram 125 solicitações contra 115 em fevereiro e 158 em março de 2016. Assim, no trimestre, houve queda de 21,3% nas recuperações judiciais requeridas ante o mesmo período do ano passado. Em números, foram 322 contra 409. Em março, a maioria das requisições foi feita por micro e pequenas empresas (88), enquanto as médias empresas somaram 23 pedidos e as grandes, 14. As companhias menores também lideraram os requerimentos de recuperação judicial no trimestre (201), seguido das médias (71) e das grandes (50).
A Serasa Experian afirma que a queda nos pedidos de recuperações judiciais neste primeiro trimestre de 2017 é explicada pela redução da inflação, dos juros e pelo processo, ainda que lento, de saída da recessão econômica. "Tudo isto facilita a renegociação das dívidas por parte das empresas", dizem os economistas da instituição. Em março, houve também 161 de pedidos de falência, aumento de 14,2% em relação a fevereiro (141) e de 1,9% na comparação com março de 2016 (158). No trimestre, os requerimentos de falência somaram 394 solicitações, número 0,8% superior ao mesmo período de 2016.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia