Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 06 de abril de 2017. Atualizado às 00h09.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Patrícia Knebel

Mercado Digital

Notícia da edição impressa de 06/04/2017. Alterada em 05/04 às 21h08min

Mobilidade para 'dedos gordos'

ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
As pessoas são impacientes para aprender a usar novos serviços nos seus smartphones e têm pouco espaço de memória no celular. Isso significa que se um aplicativo não mostrar logo de cara como poderá ser útil, será deletado na primeira oportunidade. Para o especialista em usabilidade e acessibilidade digital, Horácio Pastor Soares, isso dá uma boa amostra de como os desenvolvedores mobile devem pensar ao criar um app. "É preciso resolver problemas reais dos usuários com rapidez e simplicidade", defende. Isso significa prestar atenção a situações do dia a dia como, por exemplo, os "dedos gordos". Quem nunca errou a digitação ou algum movimento feito dentro de um app em função disso? Uma forma de resolver isso é criando situações que facilitem a navegação, como incluir o @ e o .com se o espaço for para a digitação de e-mail. Ou ter uma tela que dê um feedback sobre o que foi digitado, para que o usuário tenha a chance de visualizar o que foi escrito antes de dar o ok. "O celular está o tempo todo conosco, mas nunca nos focamos 100% nele. Muitas vezes estamos olhando a tela e fazendo outras coisas, como vendo TV no sofá ou em movimento, o que significa acessá-lo só com uma mão. Os cuidados com a usabilidade são a resposta certeira para garantir um uso mais otimizado", diz. Soares esteve em Porto Alegre recentemente para ministrar o curso UX/UI Design de Apps, realizado pela Pocket Creative Lab.
Iniciação científica I
A Fapergs vai investir R$ 7,6 milhões em bolsas de iniciação científica e tecnológica, ação que faz parte do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e de Iniciação Tecnológica e de Inovação (Probic/Probiti). A meta é qualificar recursos humanos do Estado. A submissão das propostas pode ser realizada até 12 de abril.
Iniciação científica II
Os recursos vão atender as demandas de instituições de ensino e pesquisa interessadas em obter cotas de bolsas destinadas a alunos de cursos de graduação. A expectativa da Fapergs com esse investimento é atingir 1,6 mil estudantes de graduação. As bolsas pagam R$ 400,00 mensais. Informações e regulamento podem ser conferidos no www.fapergs.rs.gov.br.
Singularity em Porto Alegre
A Singularity University, criada pela Nasa e pelo Google, terá um capítulo em Porto Alegre, mais precisamente, no Tecnopuc. O lançamento acontece no próximo dia 11. A iniciativa faz parte do projeto SingularityU Chapters, que incentiva ex-alunos a promoverem o desenvolvimento do empreendedorismo e da tecnologia em suas regiões de origem. Os embaixadores locais serão Renato Cunha e Francisco Milagres. A capital gaúcha é a sexta unidade da instituição no Brasil e soma-se aos 60 Chapters distribuídos em 37 países.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia