Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de abril de 2017. Atualizado às 00h01.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

no palco

Notícia da edição impressa de 07/04/2017. Alterada em 06/04 às 16h54min

Fumproarte enfrenta impasse financeiro

Sediado no Solar Paraíso, fundo tem dívidas de R$ 2,2 milhões

Sediado no Solar Paraíso, fundo tem dívidas de R$ 2,2 milhões


/joão mattos/ARQUIVO/JC
Michele Rolim
Em 1994, surgiu em Porto Alegre um mecanismo de apoio à produção artística local, o Fundo Municipal de Apoio à Produção Artística e Cultural (Fumproarte  Lei nº 7.328/93). Com dotação orçamentária própria, ele tinha por finalidade financiar projetos de pesquisa e de produção artístico-cultural no município.
Passado mais de 20 anos, a prefeitura de Porto Alegre enfrenta um impasse com o fundo. Segundo o atual gerente do Fumproarte, Miguel Sisto Jr., o valor total das pendências deixadas pela gestão anterior é de quase R$ 2,2 milhões.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia