Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 17 de abril de 2017. Atualizado às 22h05.

Jornal do Comércio

Jornal da Lei

COMENTAR | CORRIGIR

Entrevista

Notícia da edição impressa de 18/04/2017. Alterada em 17/04 às 20h09min

Internet facilitou a prática de estelionatos, afirma advogado

Laura Franco, especial
Recentemente, uma falsa campanha de vale-presentes de uma rede de perfumaria e cosméticos circulou pelo WhatsApp. Através dela, o usuário era encaminhado para se cadastrar em um site que efetuava cobranças indevidas. O golpe atingiu mais de 50 mil pessoas em cinco dias. A prática é recorrente e vem preocupando os usuários, que podem, sem querer, instalar vírus em seus aparelhos, ou até mesmo ter seus dados bancários invadidos. Em entrevista ao Jornal da Lei, o advogado especialista em Direito do Consumidor Ricardo Sordi fala como se dão esses golpes e como é possível se proteger para não se tornar uma vítima.
Jornal da Lei - Como a legislação lida com golpes executados através do WhatsApp?
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia