Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de abril de 2017. Atualizado às 21h52.

Jornal do Comércio

JC Logística

CORRIGIR

indústria automotiva

Notícia da edição impressa de 20/04/2017. Alterada em 19/04 às 20h29min

Após perder parte do mercado, a Volks acelera os lançamentos

Depois de ver sua participação no mercado despencar mais uma vez, de 14,5%, em 2015, para 11,5%, no ano passado, a Volkswagen vai voltar ao jogo, conforme o presidente da montadora no Brasil e Região América do Sul, David Powels. Neste ano, a marca terá nove lançamentos, dois de modelos inéditos, o novo hatch Polo e o sedã Virtus, ambos fabricados em São Bernardo do Campo, no ABC paulista.
Os demais lançamentos devem ser mudanças em motorização e atualizações, como a do up!, apresentada na segunda-feira. O compacto ganhou mudanças estéticas na parte frontal e na traseira, novo painel e tecnologias para melhor conectividade.
"Além da queda do mercado como um todo no ano passado, tivemos problemas de fornecimento de peças que paralisaram nossa produção por dois meses", disse Powels. Agora, resolvido esse entrave, a Volkswagen aposta nos novos produtos. "Estamos voltando ao jogo", acrescentou.
No primeiro trimestre, a participação da marca nos automóveis e comerciais leves subiu para 12,8%, mantendo o terceiro lugar no ranking, atrás da General Motors (17,8%) e da Fiat (13,6%). No trimestre, foram vendidos 459,8 mil veículos do segmento, 1,12% a menos do que em 2016.
Em 2018, chegarão também um utilitário-esportivo e uma picape, que provavelmente serão produzidos no Paraná. O executivo aposta também no aumento das exportações para países da região, para 150 mil unidades, ante 107,3 mil em 2015.
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia