Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de abril de 2017. Atualizado às 23h08.

Jornal do Comércio

JC Logística

CORRIGIR

Defesa

Notícia da edição impressa de 13/04/2017. Alterada em 12/04 às 18h44min

Executivo da Odebrecht confessa propina de R$ 17 mi ao PT

 Projeto de construção de submarinos foi utilizado para desvio de verbas

Projeto de construção de submarinos foi utilizado para desvio de verbas


YASUYOSHI CHIBA/AFP/JC
O ex-presidente da Construtora Norberto Odebrecht - principal braço de infraestrutura do grupo - Benedicto Barbosa da Silva Júnior disse, em depoimento ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que repassou R$ 17 milhões em propinas, entre 2012 e 2013, ao PT no contrato de construção de cinco submarinos - um deles movido à energia nuclear - para a Marinha. O negócio, de R$ 31 bilhões, foi fechado em parceria com a francesa DNSC, que tem como principal acionista o governo da França, em 2008.
"Ele (Marcelo Odebrecht) me alocou R$ 17 milhões ao longo da vida do submarino", afirmou Silva Júnior, um dos 78 nomes da megadelação da Odebrecht, fechada com a Operação Lava Jato. "Ficou uma deliberação para o Partidos dos Trabalhadores ao longo das suas necessidades. Foi feito como caixa-2, mas não era campanha."
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia