Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 20 de abril de 2017. Atualizado às 00h50.

Jornal do Comércio

Automotor

COMENTAR | CORRIGIR
Notícia da edição impressa de 20/04/2017. Alterada em 19/04 às 19h51min

Programa de investimentos

A Scania fará um aporte de R$ 2,6 bilhões em suas operações no mercado brasileiro. O programa de investimento da fabricante sueca de caminhões e ônibus começou no ano passado e seguirá até 2020, com recursos que serão destinados ao desenvolvimento de novos produtos, modernização do parque industrial de São Bernardo do Campo (SP), bem como à rede de concessionárias. Os investimentos previstos asseguram a continuidade da evolução tecnológica da unidade brasileira. Apoiada pelo sistema de produção global introduzido na década de 1990, a fábrica no ABC Paulista se transformou em uma plataforma de exportação, abastecendo, hoje, cerca de 30 mercados da América Latina, Oriente Médio, África e da Ásia. Dentro do plano de fazer do complexo de São Bernardo do Campo uma referência de excelência global, a Scania inaugurou, recentemente, um laboratório responsável por desenvolver, testar e certificar motores. A nova área de pesquisa, que demandou investimento de R$ 40 milhões, é a primeira da empresa fora da Suécia. Em 2015, também anunciou uma nova linha de pintura e montagem de cabines de caminhão, mais eficiente, automatizada e capaz de utilizar um grande número de cores, que consumiu R$ 96 milhões.
Melhor exercício
As vendas e a participação de mercado da Nissan na América Latina alcançaram níveis recordes no ano fiscal 2016, com a introdução de novos veículos, incluindo o crossover Kicks. Até março, a marca japonesa comercializou 181.027 veículos em 12 meses, 6% a mais do que no período anterior. A participação de mercado anual na região atingiu o recorde de 4,6%. No Brasil, a Nissan registrou o melhor resultado em seus 17 anos de história, com 3,4% de share em 2016.
Energia renovável
Ao renegociar seus contratos de compra de energia elétrica, a Volkswagen do Brasil incluiu uma cláusula que exige que 100% do seu fornecimento deve vir de fontes renováveis, ou seja, provenientes de hidrelétricas. A decisão de abastecer as fábricas locais com energia elétrica 100% limpa se alinha a outras ações de sustentabilidade da empresa. A VW tem sua própria central hidrelétrica de pequeno porte, localizada no estado de São Paulo, com capacidade para gerar cerca de 18% da energia consumida em suas operações.
Expansão mundial
A Ford anunciou a remodelação de sua fábrica na Romênia, que deverá produzir, ao final deste ano, o Novo EcoSport. A marca também montará a nova geração do SUV na Rússia, onde já é feito o modelo atual, com o objetivo de ampliar sua oferta no mercado europeu, que registrou um crescimento de 44% nas vendas no ano passado. A Romênia será o sexto país a produzir o Novo EcoSport, ao lado da Índia, China, Tailândia, Rússia e do Brasil, que será o primeiro mercado mundial a lançar o modelo.
Turbinados se destacam
Em março, o Chevrolet Cruze Sedã se consolidou como o carro de passeio turbinado mais emplacado do Brasil, com 1.600 unidades. A hegemonia ocorre também no acumulado do ano, com quase 3.600 unidades comercializadas, total que cresce quando acrescentadas as vendas da versão Sport6. O mesmo propulsor Ecotec 1.4 Flex Turbo com injeção direta de combustível equipa o Novo Tracker. Juntos, o sedã, o hatch e o utilitário-esportivo contabilizaram mais de 6.600 unidades vendidas de janeiro a março. Com esse volume, a Chevrolet assume a liderança entre as marcas que mais emplacaram carros de passeio turbinados a etonol e/ou a gasolina no Brasil em 2017, superando inclusive as marcas premium.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia