Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de março de 2017. Atualizado às 22h58.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

reforma trabalhista

Notícia da edição impressa de 20/03/2017. Alterada em 19/03 às 22h48min

Parlamentar critica a terceirização irrestrita de atividades em empresas

Para Assis Melo, mudanças retiram direitos

Para Assis Melo, mudanças retiram direitos


JONATHAN HECKLER/JC
Membro da Comissão Especial da Reforma Trabalhista, o deputado federal gaúcho Assis Melo (PCdoB) é contra o projeto que permite a terceirização de todas as atividades da empresa. A matéria pode ser votada amanhã na Câmara dos Deputados. Na avaliação dele, o texto, que integra a reforma trabalhista, "desregulamenta a legislação trabalhista, trazendo prejuízos incalculáveis tanto sociais quanto econômicos".
Oriundo do movimento sindical metalúrgico, Assis Melo critica a "pressa do governo Michel Temer (PMDB) em votar a reforma trabalhista" e não acredita que as mudanças vão gerar empregos. Mais eficaz do que a "retirada de direitos da classe trabalhadora" seria incentivar ações como, por exemplo, garantir os índices de conteúdo local (proporção de investimentos nacionais exigidos) em empreendimentos, defende o deputado, ao citar o Polo Naval de Rio Grande. "Isso, sim, gera empregos e traz estabilidade ao País."
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia