Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 13 de março de 2017. Atualizado às 22h39.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Partidos

Notícia da edição impressa de 14/03/2017. Alterada em 13/03 às 22h06min

PMDB escolhe novo presidente em 25 de março

Brum já presidiu a legenda, mas só assume 'se a militância exigir'

Brum já presidiu a legenda, mas só assume 'se a militância exigir'


ANTONIO PAZ/ARQUIVO/
Marcus Meneghetti
O PMDB gaúcho deve escolher, no dia 25 de março, o nome que vai substituir o deputado estadual Ibsen Pinheiro na presidência estadual da legenda. A direção da sigla recebe até sexta-feira inscrições para as chapas interessadas em concorrer ao diretório estadual. Os membros do diretório elegem a nova executiva - inclusive o presidente.
Ibsen - que já disse que não quer continuar na presidência do PMDB gaúcho - busca a construção de uma chapa de consenso, tanto para o diretório quanto para a executiva. Na avaliação do atual presidente, o partido não pode correr o risco de sofrer sequelas decorrentes de uma disputa interna, em um momento que o presidente Michel Temer (PMDB) e o governador José Ivo Sartori (PMDB) tomam medidas impopulares.
Os nomes mais lembrados pela militância para assumir a presidência são o do deputado estadual Edson Brum (PMDB), que já ocupou o cargo em 2014, e o do deputado federal Alceu Moreira (PMDB), que já disputou o cargo em mais de uma ocasião.
Tanto Brum quanto Moreira defendem a construção de uma chapa de consenso. Mas a disputa ainda não está descartada.
De um lado, Moreira não esconde o desejo de presidir o partido: "Gostaria muito de ser presidente. Tanto que já fui candidato muitas vezes. Acho que é uma função muito nobre". O deputado federal acredita que a principal tarefa do novo presidente vai ser "construir um discurso de centro-esquerda ou de centro, que resuma a bandeira do partido de uso do capital com responsabilidade social". 
Brum, por outro lado, afirma que só vai assumir a legenda "se a militância exigir". "Não pretendo montar uma chapa, até porque já fui presidente. Só vou se os militantes quiserem", ponderou.
Entretanto, quando perguntado se apoiaria a candidatura de Moreira, Brum respondeu: "Se for consenso, apoio. Mas a ideia é que todos nós estejamos juntos em uma única chapa".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia