Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de março de 2017. Atualizado às 01h01.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 16/03/2017. Alterada em 16/03 às 01h02min

A inversão da gangorra

Heitor Klein
Ao contrário do ano passado, quando vivíamos um momento de contração da demanda interna por calçados ao passo que as exportações indicavam uma espécie de "porto seguro" da atividade, em 2017 a gangorra se inverteu. Com uma política internacional influenciada pelas atitudes do polêmico presidente norte-americano Donald Trump, a taxa cambial perdeu qualquer rumo.
Como sabemos, para o exportador dois fatores são essenciais: um câmbio estável e com o dólar cotado em nível de competitividade e que proporcione a formação de preços adequados ao mercado internacional. Já a estabilidade se faz fundamental porque a mudança brusca dos valores prejudica as negociações internacionais, com preços instáveis gerando insegurança para os agentes envolvidos na operação.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia