Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de março de 2017. Atualizado às 01h01.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 16/03/2017. Alterada em 15/03 às 23h56min

Lei Kandir e a renegociação da dívida do RS

Stela Farias
O governador José Ivo Sartori (PMDB), que aponta um déficit de R$ 3 bilhões no caixa do Estado para 2017, pode garantir um valor sete vezes maior para cobrir a despesa, se estiver realmente empenhado na luta pelos créditos da Lei Kandir.
Há quatro meses, o STF deu ganho de causa a 15 estados exportadores, entre eles o Rio Grande do Sul, em Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão (ADO), que determinou a regulamentação das perdas da Lei Kandir, de 1996. A União tem prazo de 12 meses para estabelecer os critérios dessa compensação. Caso não o faça, o Tribunal de Contas da União realizará os cálculos das perdas dos estados.
A decisão traz novo elemento para a negociação da dívida pública com o governo federal. Minas Gerais, segundo estado exportador brasileiro, por exemplo, passa a ser credor da União, com R$ 92 bilhões de perdas da Lei Kandir a receber.
Apesar da decisão do STF ser de novembro de 2016, o governo Sartori preferiu silenciar e negociar o sacrifício da população gaúcha com o governo federal provisório, incluindo a venda de estatais, privatização do Banrisul, corte de reajustes salariais e demissão de funcionários públicos. Sartori desconsidera mais de R$ 40 bilhões que o Estado tem direito a receber da União. Esta já é a segunda evidência de que as opções do governo do PMDB e seus aliados, são políticas e não financeiras. A primeira foram os números da Secretaria da Fazenda que desmentiram o anúncio do déficit de R$ 4,9 bilhões, para apenas R$ 143 milhões em 2016.
Não faz sentido levar adiante uma negociação que desconsidere os ressarcimentos ao Estado e não garanta compensação das perdas dos últimos 10 anos. Só com a regulamentação o Rio Grande do Sul terá incremento anual na receita de R$ 3,6 bilhões. Mas é preciso verdadeiro empenho político do governo estadual. Aí veremos se há comprometimento com a sociedade gaúcha ou se Sartori ficará só na falsa cantilena da falta de dinheiro!
Deputada estadual (PT)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia