Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 14 de março de 2017. Atualizado às 22h41.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 15/03/2017. Alterada em 14/03 às 19h53min

É Mercado, não mercadoria

Sofia Cavedon
O Mercado Público Municipal é um patrimônio cultural da cidade de Porto Alegre, referência para o Rio Grande do Sul e turistas do Brasil e do mundo que nos visitam. As atividades comerciais ali desenvolvidas guardam grande identidade com as manifestações culturais originárias de nossa cidade.
Histórias de vida e de famílias misturam-se com sabores, diversidade e a identidade da Capital dos gaúchos: o jeito de atender, de apresentar os produtos, a aparentemente caótica e animada organização dos fluxos nas bancas, a elegância e qualidade das refeições ao lado do artesanato, do vinil, do aroma do bom café no ar, a alternativa do peixe, da embalagem, dos pães, numa arquitetura eclética leve, aconchegante e bonita.
Sua gestão, que já foi mais compartilhada e transparente em todos esses anos de existência, tem limites e conflitos, no entanto, por envolver e responsabilizar permissionários no diálogo com o poder público, garante seu pleno funcionamento voltado às demandas dos frequentadores com a valorização dos inúmeros investimentos públicos colocados ali historicamente.
Entregar a gestão do Mercado Público para a iniciativa privada é desconhecer a riqueza desse processo, renunciar à possibilidade de aprimorá-lo, de superar dificuldades através do diálogo e da ampliação da participação da sociedade no controle de qualidade ali ofertada, tanto de ambiente quanto de serviços e produtos - e quem sabe, expulsar comerciantes que há décadas servem à população de Porto Alegre, diante do provável aumento de custos que uma conversão à lógica privada traz.
Ao contrário disto, queremos mais pública e transparente sua gestão! A cidade precisa saber como está o Funmercado, a obra de restauração, o processo para ocupação plena do segundo piso, as melhorias no seu entorno, a segurança e preservação.
Vereadora de Porto Alegre (PT)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia