Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 21h34.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Alterada em 20/03 às 21h35min

EUA perderam US$ 800 bi em comércio em 2016, isso não acontecerá mais, diz Trump

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira que deseja o que considera um comércio mais justo com outros países. "Nosso país perdeu US$ 800 bilhões em comércio no ano passado e isso não acontecerá mais", disse Trump durante discurso no Kentucky. Na verdade, o déficit comercial do país no ano passado foi de US$ 502,3 bilhões.
"Estou falando sobre comércio recíproco", disse o presidente. O governo americano tem evitado as negociações comerciais multilaterais e privilegiado acordos bilaterais. Trump disse que está interessado em acordos comerciais, mas enfatizou que é necessário haver "justiça". "Nós queremos reciprocidade", afirmou. "Não vamos permitir que outros países tirem vantagem da gente, como tem acontecido."
Trump disse que pretende renegociar o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta, na sigla em inglês). "Começaremos a tratar disso em breve", comentou, qualificando o Nafta como "talvez o pior acordo" já feito na história. "Vai ser fácil" renegociá-lo, disse o presidente à plateia.
O presidente voltou a enfatizar que privilegiará os produtos e a geração de empregos no país. Disse defender "duas regras simples: compre da América e contrate na América". Além disso, voltou a afirmar que controlará a imigração, que segundo ele rouba empregos de americanos no país. Trump afirmou que os imigrantes ilegais já estão sendo perseguidos e sendo expulsos do país. "E não vamos deixar eles voltarem."
Trump reafirmou que pretende aumentar os gastos em infraestrutura, reduzir impostos e regulações "desnecessárias". Segundo ele, a Agência de Proteção Ambiental (EPA, na sigla em inglês) vinha sendo uma "matadora de empregos", mas agora será uma "criadora de empregos", sob o comando de Scott Pruitt. O presidente prometeu que pretende agir para colocar os mineiros do setor de carvão de volta ao trabalho, que já reverteu regulações que segundo ele eram contrárias ao setor e falou em se produzir "carvão limpo" no país.
"Nós herdamos uma bagunça", afirmou Trump. Segundo ele, o governo trabalha agora para substituir o sistema de saúde aprovado pelo então presidente Barack Obama, o chamado Obamacare Ele afirmou que não há divisões entre os republicanos, que controlam o Executivo e o Legislativo. Trump disse que pretende diminuir o custo com medicamentos para os americanos. "Os preços dos medicamentos ficarão bem mais baratos e isso acontecerá rápido", afirmou, citando por exemplo que buscará fazer processos de leilões para compra dos remédios.
Trump comentou rapidamente a Coreia do Norte, que tem chamado a atenção por fazer testes militares recentes, por exemplo de mísseis. "O que acontece lá é uma desgraça e não é nada inteligente", disse. O presidente afirmou ainda que acredita na "paz por meio da força".
"Nós somos americanos e o futuro pertence a nós", disse também o presidente. "Nós faremos a América grande novamente", voltou a dizer, usando seu slogan de campanha.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia