Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 15 de março de 2017. Atualizado às 10h28.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações Internacionais

Alterada em 15/03 às 10h32min

Premiê da China diz que não deseja uma 'guerra comercial' contra os EUA

Keqiang afirmou que as duas maiores economias do mundo devem "defender interesses estratégicos"

Keqiang afirmou que as duas maiores economias do mundo devem "defender interesses estratégicos"


MARCELO CAMARGO/ABR/JC
O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, afirmou nesta quarta-feira (15), que os líderes chineses não desejam ver uma guerra comercial com Washington e expressou otimismo de que as relações entre China e Estados Unidos irão melhorar.
Em entrevista coletiva, Keqiang afirmou que as duas maiores economias do mundo devem "defender interesses estratégicos". O premiê disse que uma guerra comercial entre os dois países "não faria o nosso comércio mais justo".
O presidente dos EUA, Donald Trump, prometeu aumentar os impostos de importação sobre os produtos chineses por Pequim fazer o que ele chamou de "práticas injustas". Isso levou à advertência de que a China poderia retaliar as declarações de Trump, rompendo com os EUA. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia