Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de março de 2017. Atualizado às 19h37.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Infraestrutura

Notícia da edição impressa de 21/03/2017. Alterada em 21/03 às 19h38min

Duplicação da BR-116 precisa de R$ 660 milhões

Dividida em nove lotes, obra iniciada em 2012 abrange trecho de 211 quilômetros entre Guaíba e Pelotas

Dividida em nove lotes, obra iniciada em 2012 abrange trecho de 211 quilômetros entre Guaíba e Pelotas


AMANDA MONTAGNA/STE/Divulgação/JC
Suzy Scarton
O tom da audiência pública que reuniu deputados estaduais e federais, prefeitos e vereadores na Assembleia Legislativa na tarde de ontem para discutir a continuidade das obras da BR-116 foi unânime. Organizado pela Frente Parlamentar em Defesa da Conclusão da Duplicação da BR-116, coordenada pelo deputado Zé Nunes (PT), o grupo declarou imprescindível uma nova realocação de verba para a conclusão dos trabalhos. Apontada por muitos dos que se manifestaram como "a estrada que liga o Rio Grande do Sul ao mundo", a duplicação do trecho entre Guaíba e Pelotas começou em 2012 e está dividida em nove lotes, totalizando 211 quilômetros.
A Lei Orçamentária Anual (LOA) garante, para 2017, investimento de R$ 59 milhões. Os parlamentares querem, agora, pedir uma audiência com o presidente Michel Temer e solicitar o repasse de mais R$ 110 milhões. Se o valor for concedido, será possível liberar 96 quilômetros para o tráfego. Se a suplementação não for aprovada, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) espera concluir 33 quilômetros em 2017.
O superintendente do Dnit no Estado, Hiratan Pinheiro da Silva, explica que, se o presidente liberar essa verba suplementar, serão necessários mais R$ 250 milhões em 2018 para chegar aos 165 quilômetros liberados. Para 2019, ficarão os 46 quilômetros restantes, para os quais serão necessários R$ 300 milhões, e a obra estará concluída. No entanto o superintendente adianta que, caso os R$ 110 milhões não sejam liberados neste ano, a conclusão dos trabalhos não será em 2019. "Há possibilidade de término, mas precisaríamos de um investimento de R$ 360 milhões em 2018", pondera. O investimento que falta para a obra ser concluída é de R$ 660 milhões - no total, a duplicação custará pouco mais de R$ 1 bilhão.
Na semana passada, a Frente Parlamentar foi recebida pelo ministro dos Transportes, Maurício Quintella Lessa, que garantiu o empenho desses R$ 59 milhões previstos pela LOA.
Na audiência pública, o ministro foi representado pelo secretário nacional de Orçamento e Gestão do Ministério, Luciano Castro. Ele declarou que o ministério fará um estudo de remanejamento de verba para avaliar o repasse de R$ 110 milhões ainda neste ano. Além disso, prometeu uma visita do corpo técnico da pasta aos trechos em obras, que deve ocorrer nos próximos 30 dias.
Além da audiência com Temer, a bancada federal pretende designar emenda impositiva ao Orçamento Geral da União de 2018 no valor de R$ 150 milhões.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia