Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 16h28.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

segurança pública

17/03/2017 - 16h14min. Alterada em 20/03 às 16h34min

Ato deste domingo em Porto Alegre defende liberação do porte de armas

Evento reuniu cerca de 200 pessoas no Parcão no ano passado

Evento reuniu cerca de 200 pessoas no Parcão no ano passado


JULIANA MUTTI/divulgação/jc
Melissa Renz
O grupo Armas pela Vida promove, neste domingo (19) às 15h, um ato no Parcão, no bairro Moinhos de Vento em Porto Alegre. Os manifestantes pedem alterações do Estatuto do Desarmamento e o que chamam de "direito de defesa". O grupo é formado por profissionais liberais, advogados, engenheiros e estudantes e defende a liberação do porte de armas. O aumento da violência em Porto Alegre é citado por eles como uma das principais motivações.
O Armas Pela Vida criou uma petição online em favor do projeto de lei 3.722/2012, de autoria do deputado Rogério Peninha Mendonça (PMDB-RS), que prevê flexibilidade nas regras para o porte e a compra de armas de fogo no Brasil. Segundo o página do evento no Facebook, o ato serve também exigir empenho de governantes na aprovação do projeto.
Um dos coordenadores do movimento, o advogado Diego Gomes Ferreira, acredita que o principal objetivo do ato deste domingo é fomentar a discussão para que ela não seja esquecida. Segundo Diego, o assassinato de Cristine Fonseca Fagundes, de 44 anos, morta em agosto do ano passado durante uma tentativa de assalto quando ia buscar o filho em frente ao Colégio Dom Bosco, no bairro Higienópolis,foi uma das motivações para o grupo fazer as manifestações.
"Antigamente os criminosos tinham uma tendência maior de apenas realizar o furto durante os assaltos. Hoje em dia pelo fato deles terem consciência que as leis não funcionam e o cidadão está desarmado facilita os assassinatos que estão ocorrendo em Porto Alegre", disse.
Conforme a organização do evento informou, cerca de 200 pessoas participaram da primeira mobilização que ocorreu em novembro do ano passado. Com divulgação nas redes sociais, a expectativa é de que mais pessoas participem neste domingo.
O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSC-SP) que é um dos grandes defensores do desarmamento, é uma das presenças confirmadas neste domingo. Os deputados Onyx Lorenzoni (DEM-RS) e Marcel Van Hattem (PP-RS) registraram seu apoio através de vídeos e mensagens nas redes sociais mas não poderão comparecer em função de agenda.
Também apoiadores do movimento, os vereadores Valter Nagelstein (PMDB), Mônical Leal (PP), Comandante Nádia (PMDB), Mendes Ribeiro (PMDB), Wambert Di Lorenzo (PROS) e Felipe Camozzato (Novo) entraram com requisição esta semana para constituir a Frente Parlamentar Armas Pela Vida na Câmara Municipal de Porto Alegre.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia