Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de março de 2017. Atualizado às 12h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

17/03/2017 - 11h55min. Alterada em 17/03 às 12h38min

Sindicato de fiscais agropecuários manifesta apoio à operação Carne Fraca

O Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) informou na manhã desta sexta-feira (17), por meio de nota, que apoia a Operação Carne Fraca, deflagrada pela Polícia Federal (PF). A entidade reforçou que a denúncia partiu dela própria e que consta de processo administrativo que tramita no Ministério da Agricultura desde 2010. "O Anffa Sindical entende que a operação está alinhada aos objetivos de auditores fiscais federais agropecuários no sentido de aprimorar a inspeção de produtos de origem animal no Brasil", diz o texto.
No comunicado, o Anffa Sindical afirmou ainda "que vai continuar trabalhando para que cargos de chefia sejam ocupados por servidores públicos selecionados por meio de processos meritocráticos". "Ou seja, por competência técnica, contribuindo para o fim de influências políticas."
O presidente do Anffa Sindical, Maurício Porto, ressaltou no site da entidade que a categoria se orienta "pela ética e legalidade". "Não concordamos com desvio de conduta, sobretudo quando se trata de assuntos de segurança alimentar da população".
Deflagrada no início da manhã desta sexta, a Operação Carne Fraca envolve aproximadamente 1.100 policiais federais, que cumpriram 309 mandados judiciais, dos quais 27 de prisão preventiva, 11 de prisão temporária, 77 de condução coercitiva e 194 de busca e apreensão em residências e locais de trabalho dos investigados e em empresas supostamente ligadas ao grupo criminoso.
Segundo a PF, os agentes públicos, utilizando-se do poder fiscalizatório do cargo, mediante pagamento de propina, atuavam para facilitar a produção de alimentos adulterados, emitindo certificados sanitários sem qualquer fiscalização efetiva. Executivos de importantes companhias do setor, como JBS e BRF, estão entre os envolvidos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia