Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 18h38.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 20/03 às 18h39min

Bolsas fecham na maioria em baixa em Nova Iorque, em dia negativo para setor financeiro

Agência estado
As bolsas de Nova Iorque tiveram sessão em geral negativa nesta segunda-feira (20), diante do recuo de papéis do setor financeiro. O Nasdaq, porém, fechou em leve alta, bem perto da estabilidade.
O índice Dow Jones fechou em queda de 0,04% (-8,76 pontos), em 20.905,86 pontos, o Nasdaq avançou 0,01% (+0,53 ponto), para 5.901,53 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 0,20% (-4,78 pontos), para 2.373,47 pontos.
O setor financeiro foi pressionado diante da reação dos investidores às indicações do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de que a alta de juros nos EUA será gradual. Os movimentos das ações em geral, porém, foram modestos, com investidores avaliando as notícias oriundas da reunião do G-20 no fim de semana. Líderes globais tiveram dificuldade em encontrar um denominador comum na questão do comércio. O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, convenceu autoridades a retirar uma censura ao protecionismo do comunicado final do encontro.
Investidores temem que nos próximos meses mudanças na política comercial dos EUA possam prejudicar o crescimento. A incerteza política tem gerado um "comportamento de esperar para ver" nos mercados acionários, segundo Yana Barton, gerente de portfólio da Eaton Vance. Na avaliação dela, o cenário geopolítico terá grande influência sobre o mercado no restante do ano.
Muitos no mercado ainda esperam, porém, que o governo do presidente Donald Trump promova políticas que acabem por impulsionar os lucros das empresas, o que dá calma aos mercados acionários.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia