Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 17h54.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

Alterada em 20/03 às 17h55min

PIB do Chile avança 1,6% em 2016, no menor patamar desde 2009

O Produto Interno Bruto (PIB) do Chile cresceu 1,6% em todo o ano de 2016 na comparação com 2015, segundo dados divulgados nesta segunda-feira pelo banco central do país. O resultado é o mais modesto desde 2009 no país. No quarto trimestre, o crescimento chileno foi de apenas 0,5%, na comparação com igual período do ano anterior.
Na avaliação da Capital Economics, os números mostram que o país pode entrar em uma recessão técnica, já que o crescimento é afetado pela greve na maior mina de cobre do mundo, Escondida. Segundo a consultoria, o crescimento chileno pode sofrer contração no primeiro trimestre deste ano, por causa dessa paralisação na mina, iniciada em fevereiro. No quarto trimestre, a Capital Economics diz que, em termos sazonalmente ajustados, já houve recuo econômico. "Embora o crescimento deva reagir assim que a greve se resolver, a economia terá dificuldade de crescer mais de 1% neste ano como um todo", afirma.
Segundo o Nomura, os números divulgados hoje mostram "uma economia estagnada", que não mostra sinais de recuperação "após vários trimestres de desempenho fraco". Na avaliação do banco, o BC chileno deve cortar a taxa em mais 0,50 ponto porcentual, para 2,5%, ao longo dos próximos meses. O Nomura aponta que os números do quarto trimestre do ano passado mostram uma piora na contração do investimento, devido à fraqueza no investimento do setor de construção.
O banco espera que o Chile cresça 1,9% em 2017 e 2,4% em 2018.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia