Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 16h58.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

20/03/2017 - 15h55min. Alterada em 20/03 às 17h03min

Balança comercial tem superávit de US$ 1,437 bilhão na 3ª semana de março

A balança comercial brasileira registrou superávit de US$ 1,437 bilhão na terceira semana de março (13 a 19), de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira, 20, pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). O resultado foi alcançado com exportações de US$ 4,262 bilhões e importações de US$ 2,825 bilhões.
No mês, o saldo acumulado é de US$ 3,854 bilhões, com exportações de US$ 11,527 bilhões e importações de US$ 7,673 bilhões.
No ano, as exportações somam US$ 41,908 bilhões e, as importações, US$ 30,775 bilhões, o que resulta em superávit de US$ 11,134 bilhões.
Em março, há um crescimento de 22% nas exportações até a terceira semana, na comparação com igual mês de 2016. A alta se deve ao crescimento nas vendas de todas as categorias de produtos: básicos (+34,4%), manufaturados (+11,0%) e semimanufaturados (+9,2%).
Em relação a fevereiro, houve crescimento de 3,2%, com alta principalmente na venda de produtos básicos (+10,3%) e manufaturados (+1,0%), enquanto há queda de 14,4% nas exportações de produtos semimanufaturados.
As importações continuam em alta em março, com crescimento de 12,3% em relação a igual período de 2016. Destaque para o crescimento nas compras de bebidas e álcool (+112,6%), equipamentos elétricos e eletrônicos (+36,5%), combustíveis e lubrificantes (+31,5%), plásticos e obras (+19,0%) e químicos orgânicos e inorgânicos (+14,3%).
Em relação a fevereiro, no entanto, houve queda de 2,6%, principalmente por conta do recuo nas importações de farmacêuticos (-28,9%), combustíveis e lubrificantes (-26,9%), bebidas e álcool (-20,8%), adubos e fertilizantes (-11,8%) e equipamentos mecânicos (-7,1%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia