Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 10h55.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

petróleo

Alterada em 20/03 às 10h59min

Petróleo opera em baixa, pressionado por sinais de avanço na produção dos EUA

Os futuros de petróleo operam perto dos menores níveis em quatro meses na manhã desta segunda-feira (20), após dados recentes indicarem que a produção dos EUA está em expansão.
Às 10h34 (de Brasília), o Brent para maio caía 0,85% na IntercontinentalExchange (ICE), a US$ 51,33 por barril, enquanto o WTI para o mesmo mês recuava 1,12% na New York Mercantile Exchange (Nymex), a US$ 48,76 por barril. O WTI para abril, que vence amanhã, tinha baixa de 1,29%, a US$ 48,15 por barril.
Na sexta-feira, pesquisa da Baker Hughes mostrou que o total de plataformas em operação nos EUA subiu 14 na semana anterior, para 631, marcado o nono avanço semanal consecutivo e atingindo o maior patamar desde setembro. O indicador sugere que os EUA continuam ampliando sua produção de óleo de xisto.
"Ninguém esperava que a produção americana de óleo de xisto crescesse tanto e tão rapidamente", comentou Gnanasekar Thiagarajan, diretor do Commtrendz Risk Management.
A expansão da produção nos EUA vem ajudando a anular os efeitos positivos de esforços de grandes produtores de reduzir a oferta desde janeiro. No fim do ano passado, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e nações não pertencentes ao grupo, incluindo a Rússia, fecharam acordos para reduzir sua produção diária combinada em cerca de 1,8 milhão de barris. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia