Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 18h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Fraude

19/03/2017 - 21h19min. Alterada em 20/03 às 18h34min

Maggi diz que divulgará nome e dados de empresas citadas na Operação Carne Fraca

Ministro atenderá ao pedido feito por China e União Europeia sobre a Operação Carne Fraca

Ministro atenderá ao pedido feito por China e União Europeia sobre a Operação Carne Fraca


EVARISTO SA/AFP/JC
Agência Brasil
O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, disse, neste domingo (19), que a China e a União Europeia pediram informações formais ao Brasil a respeito do esquema criminoso de "maquiagem" de carnes estragadas desvendado pela Operação Carne Fraca da Polícia Federal. 
Maggi garantiu que até, esta segunda-feira (20), será divulgado o nome e dos dados das empresas citadas nas investigações e para quais países elas exportaram nos últimos dois meses. De acordo com o ministro, seis dos 21 frigoríficos investigados pela Carne Fraca exportaram produtos nos últimos 60 dias. 
"Acho absolutamente natural que os países façam isso, estaremos prontos a responder a todos os países que se manifestarem. Temos que ser o mais transparentes possíveis nesse processo, dando as informações, de imediato, para que não restem dúvidas sobre a lisura do processo que o Brasil tem".
Após reunião de emergência com o presidente Michel Temer e representantes de países compradores de carne brasileira, o ministro criticou a "narrativa" feita pela Polícia Federal ao divulgar a operação e o fato de o Ministério da Agricultura não ter sido informado das investigações.
"Acho que essa questão é muito mais da forma como foi comunicado e a narrativa que foi feita. Não posso ter controle sobre como as pessoas se expressam. Sobre a questão do papelão está claro no áudio de que estavam falando das embalagens e não de misturar papelão na carne. Isso é uma idiotice, uma insanidade para dizer a verdade", disse Maggi.
Segundo o ministro, as empresas investem "milhões e milhões de dólares" para conquistar mercados e não seria razoável que elas misturassem papelão para aumentar seus lucros. "A narrativa nos leva a criar fantasias", disse Maggi. O ministro disse ainda que o uso de ácido ascórbico e carne cabeça de porco nos embutidos, por exemplo, é permitido e a forma como essas informações foram divulgadas não foi adequada.
"No regulamento está lá escrito [que pode usar cabeça de porco] em percentuais em determinados produtos. Portanto, a fala de uma empresa que está comprando matéria prima para utilizar em A, B ou  C é permitido, não tem irregularidade nesse processo. Em função da narrativa é que se criou esse grande problema que estamos aqui colocados hoje".
Maggi voltou a defender que o sistema de fiscalização sanitária do país e a classificou como confiável. "Temos um sistema de fiscalização muito forte, robusto, reconhecido pelo mercado internacional, checamos toda a qualidade. Ao chegar aos países de destino, todos os produtos são novamente fiscalizados e checados. Nenhum mercado internacional é realizado sem que antes haja o reconhecimento dos sistemas de fiscalização, sanidade entre os países."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia