Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 18 de março de 2017. Atualizado às 12h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura internacional

18/03/2017 - 12h03min. Alterada em 18/03 às 12h06min

Mundo está muito longe do risco de guerra cambial, diz Ilan

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, traçou neste sábado (18), um panorama sobre o câmbio no mundo. Segundo ele, o tema deve sofrer pouca alteração no comunicado da reunião financeira do G-20 (grupo dos 20 países mais ricos do mundo) e a sua percepção é que o globo está muito distante de enfrentar uma guerra cambial. Eles fez estas avaliações a jornalistas, após participar do encontro em Baden-Baden, na Alemanha.
Para Goldfajn, a agenda forte do G-20, que é a arquitetura financeira, continuará existindo. "Se você olhar bem o mundo, não se vê desvalorizações no mundo emergente", citou, dando como exemplos a China, que está "trabalhando do outro lado" (valorização) e o próprio Brasil. "No Brasil, estamos reduzindo os estoques de swap, que é um movimento para o outro lado também", considerou.
Por conta disso, o presidente do BC acredita que o compromisso dos membros do G-20 de não usar desvalorização competitiva tende a continuar e não deve ser objeto de grandes alterações no documento oficial do grupo, previsto para ser divulgado no próprio sábado. "Não acho que este seja um tópico de discussão", afirmou. Para ele, o mundo hoje também está muito longe do risco de enfrentar uma guerra cambial.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia