Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de março de 2017. Atualizado às 13h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

investigação

Alterada em 17/03 às 13h37min

Apurações da PF indicam crime contra a população, diz ministro da Agricultura

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi, divulgou nesta sexta-feira nota oficial na qual avalia que as apurações da Polícia Federal (PF) na Operação Carne Fraca, contra fiscais agropecuários e empresas do setor de proteína animal, indicam "um crime contra a população brasileira, que merece ser punido com todo o rigor". "Neste momento, toda a atenção é necessária para separarmos o joio do trigo. Muitas ações já foram implementadas para corrigir distorções e combater a corrupção e os desvios de conduta, e novas medidas serão tomadas", completou.
Na nota, o ministro reafirmou que coordena as ações envolvendo sua Pasta e confirmou o afastamento imediato de todos os envolvidos, além da instauração de procedimentos administrativos. "Todo apoio será dado à PF nas apurações. Minha determinação é tolerância zero com atos irregulares no Mapa (Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento)", completou Maggi.
O ministro confirmou ainda ter suspendido a licença de 10 dias prevista para começar na próxima semana para acompanhar o caso. O Broadcast (serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado) apurou que Maggi, que participa de um evento em Mato Grosso, também conversou com presidente Michel Temer (PMDB) logo após a operação ser deflagrada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia