Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de março de 2017. Atualizado às 20h42.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Logística

Notícia da edição impressa de 16/03/2017. Alterada em 19/03 às 20h47min

PGR e TCU criticam prorrogação de concessões ferroviárias

Os planos do governo de renovar as concessões de cinco malhas ferroviárias e, com isso, mobilizar investimentos de R$ 25 bilhões sofreram duros ataques da Procuradoria-Geral da República (PGR) e do Tribunal de Contas da União (TCU), na audiência pública que discute a Medida Provisória (MP) nº 752, em realização no Congresso Nacional.
O subprocurador-geral da República José Elaeres Marques Teixeira disse que a prorrogação de contrato é permitida em lei, mas, no caso de serviços públicos, ela deve ser exceção e não regra. No entanto, pontuou, o governo já anunciou um cronograma para a prorrogação dos contratos de cinco concessões ferroviárias. "O que era para ser exceção acabará se tornando regra", alertou.
Esse ponto também foi criticado pelo representante do TCU, Uriel de Almeida Papa. Ele observou que o governo de Michel Temer prometeu uma revalorização do papel das agências reguladoras, no entanto, já antecipa, ao anunciar as prorrogações, uma decisão que teria de ser tomada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). "Temos, afinal, uma evolução com um ciclo de empoderamento das agências ou mais decisões impostas às agências antes de seu pronunciamento técnico?", questionou.
Em resposta, o superintendente de Infraestrutura e Transportes de Carga da ANTT, Alexandre Porto, disse que as prorrogações contratuais serão objeto de um estudo pela agência para determinar se a medida é ou não de interesse da sociedade. "Se a análise não for na linha, é difícil que prospere, mesmo que tenha entrado no cronograma do governo."
O secretário especial do Programa de Parcerias e Investimentos (PPI), Adalberto Vasconcelos, defendeu a prorrogação. Ele questionou se é o caso de esperar mais 10 anos para fazer investimentos que hoje já se mostram necessários para, por exemplo, escoar a produção de grãos do centro do País até os portos.
O subprocurador da República disse que a MP não resolve os problemas históricos de direito de passagem e uso compartilhado da malha, mantendo o atual modelo verticalizado "sem maiores reflexões". Teixeira observou que há muitos trechos ferroviários sem uso, quando a concessão previa o uso da malha toda.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia