Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 20 de março de 2017. Atualizado às 17h28.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Edgar Lisboa

Repórter Brasília

Notícia da edição impressa de 20/03/2017. Alterada em 20/03 às 17h30min

Satanismo infantil

O senador Wilder Morais (PP-GO) considera o livro "um culto ao satanismo"

O senador Wilder Morais (PP-GO) considera o livro "um culto ao satanismo"


Beto Barata/Agência Senado/
Edgar Lisboa
A adoção do livro A Máquina de Brincar, do escritor gaúcho Paulo Bentancur (1957-2016), por escolas públicas de Goiás, vem causando celeuma. Isso porque a obra infantil mostra o diabo como amigo. Isso seria, de acordo com o senador Wilder Morais (PP-GO), "um culto ao satanismo". Segundo o parlamentar, o Brasil, como um país laico, não deveria dedicar dinheiro público a materiais com esse conteúdo. "Em vez de apreciar os clássicos da literatura, a criança é apresentada ao diabo como um personagem cortês e a Deus como algo questionável. O livro é um bem duradouro, vai continuar nas escolas à disposição das crianças, com a personalidade ainda em formação e a mente exposta e sem defesa", afirmou. O senador ainda disse que o livro infantil "é uma heresia" e "faz troça" com pessoas religiosas. A acusação é antiga.
Os dois lados
Desde o lançamento do livro, em 2005, parte da internet que acredita em teorias da conspiração viram a obra como uma tentativa de "proselitismo satanista". Bentancur, antes de morrer, teve que se defender, afirmando que brincou "com o lado bom e o lado ruim das coisas". Em 2014, o deputado Missionário José Olímpio (DEM-SP) apresentou um projeto de lei proibindo a implantação de chips em seres humanos. De acordo com ele, era uma "antecipação ao fim do mundo". Na mesma época, uma corrente de WhatsApp dizia que chips subcutâneos eram "a marca da besta" e que o ex-presidente dos Estados Unidos Barack Obama era o Anticristo.
A última coisa
O deputado federal gaúcho Henrique Fontana (PT) se irritou com a possibilidade de uma anistia "ampla e irrestrita" ao caixa-2. "A última coisa de que o Brasil precisa para melhorar sua política é defender anistia ao caixa-2, é defender anistia a crimes eleitorais. É preciso fazer uma reforma política que garanta que empresa nunca mais financie eleições, que garanta o fim do abuso do poder econômico em eleições, que garanta um sistema político em que o povo se sinta representado", disse o parlamentar. "Dizer que no Brasil sempre houve caixa-2 e que a política sempre foi financiada assim não é perspectiva de futuro para o País. Nós temos que mudar o sistema político, e não querer anistiar caixa-2 para salvar aqueles que estão respondendo neste momento a acusações e processos", completou.
Melhor que bancada da mala
O deputado Alberto Fraga (DEM-DF) se incomodou com a pecha de "bancada da bala" dada aos parlamentares que defendem uma liberalização maior no acesso a armas de fogo. "É lamentável que, volta e meia, quando apresentamos um requerimento de urgência para resolver a questão, alguns meios de comunicação rotulem a bancada de segurança pública como bancada da bala. E quem defende bandido? É bancada de quê? ", questionou. Pouco tempo depois, ele tomou o apelido com orgulho. "Eu aceito, sim, o rótulo de bancada da bala, porque eu não sou da bancada da mala. Com a arma na mão, o cidadão pode salvar a própria vida. E, com certeza, a polícia sempre vai chegar um pouco atrasada, só para recolher o cadáver", afirmou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia