Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 24 de março de 2017. Atualizado às 11h07.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Patrícia Knebel

Mercado Digital

Notícia da edição impressa de 23/03/2017. Alterada em 24/03 às 11h07min

IBM quer Watson na Serra Gaúcha

Na próxima semana, a IBM, a Mecasei.com e o Centro Universitário Uniftec inauguram o Lab Cognitivo, um espaço sediado na sede da universidade, em Caixas do Sul, e que tem como missão começar a introduzir o tema da computação cognitiva para os alunos, possibilitando algumas interações deles com as tecnologias da multinacional. A aproximação começou quase por acaso, resultado da apresentação do case da startup gaúcha pela IBM junto a algumas universidades. A Mecasei.com, com sede no Tecnosinos, usou a capacidade cognitiva do Watson para criar a Meeka, uma assistente pessoal que ajuda os noivos a planejarem os detalhes do casamento por meio de diálogos. "Esse é um projeto muito interessante. Mostramos para a Uniftec, que viu, gostou da iniciativa e resolveu criar esse ambiente", conta o executivo de Watson Customer Engagement para a América Latina, Mauricio Sucasas. Essa parceria deixou a IBM empolgada com a Serra Gaúcha. "Vamos deixar o pessoal molhar o pé na água, conhecer um pouco as possibilidades da computação cognitiva e, a partir daí, avançar com os projetos na região", relata. Grandes empresas, como Grendene e Tramontina, estão na mira da multinacional.
Novo formato para os tradicionais filmes?
Ator, músico e produtor, Will Smith divertiu a plateia do IBM Amplify 2017, que acontece esta semana em Las Vegas (EUA). Atento para a transformação da tecnologia e dos hábitos dos consumidores do mundo do entretenimento, ele diz não ter dúvidas de que o formato atual dos filmes, em que as pessoas precisam ficar cerca de duas horas consumindo esses conteúdos, está acabado. "Ainda não sabemos exatamente para onde vai essa indústria, mas acredito que o caminho será o das pessoas consumirem as histórias em diferentes partes/fases e por meio de diversos devices", aposta.
Robô
Um robô que usa as capacidades cognitivas do Watson, supercomputador da IBM, é atração dos corredores do Amplify 2017. Ele foi programado para responder a cerca de 700 perguntas relacionadas ao evento, mas também mostra toda a sua graciosidade quando questionado sobre a sua cor e música favoritas. Foram quatro meses para o desenvolvimento da aplicação e criação dos diálogos. Ah, o robô fez uma saudação especial para o Jornal do Comércio, que você pode conferir acessando a coluna Mercado Digital nas plataformas on-line do jornal.
A dança da sopa de letrinhas
A transformação tecnológica e dos processos de negócios está levando a uma mudança rápida nos chamados C-Levels. Mal as pessoas se acostumaram com siglas como CEO, CIO e CFO e estão surgindo outras. No Brasil ainda é raro, mas o mercado dos EUA está cada vez mais familiarizado com o termo Chief Tecnology Marketing Officer (CTMO), profissional de tecnologia voltado para a área de marketing. Outra nova sigla muito usada por aqui é o Chief Information Security Officer (Ciso), de segurança. A dança da sopa de letrinhas dos cargos de tecnologia não para.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia