Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 19 de março de 2017. Atualizado às 22h22.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 20/03/2017. Alterada em 17/03 às 19h38min

Peças baratas, mas sem perder o brilho

"Por mais que a peça conceitual seja importante na moda, a vitrine tem de ter o que o cliente precisa e pode comprar." A frase de Rafael Zolko, sócio da marca de roupas femininas TVZ, resume a situação que vive a indústria da moda para tentar sair da crise. Se, por um lado, a queda nas vendas a obrigou a optar por produtos mais baratos para reduzir os preços para não perder vendas; por outro, não pode deixar as roupas perderem o brilho, sob o risco de não agradar ao consumidor, agravando o problema. 
Em 2016, foram produzidas 5,4 bilhões de peças de vestuário no Brasil, uma queda de 6,7% em comparação com o ano anterior. Já as vendas no varejo caíram mais de 10%, segundo a Associação Brasileira de Indústria Têxtil e de Confecção (Abit).
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia