Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h49.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Manifestações

Notícia da edição impressa de 01/03/2017. Alterada em 28/02 às 21h54min

Frentes de esquerda convocam atos contra Temer

A Frente Brasil Popular e a Frente Povo Sem Medo, que estiveram na linha de frente dos protestos contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), anunciaram a convocação de manifestações contra o governo de Michel Temer (PMDB) para o dia 15 de março. Os atos devem acontecer em todas as capitais estaduais e em Brasília.
De acordo com Raimundo Bonfim, coordenador da Frente Brasil Popular, em São Paulo, o protesto deve partir da Praça da Sé ou da avenida Paulista, para unir-se com protesto de professores marcado para o mesmo dia.
Um comunicado enviado pelos movimentos na semana passada informa que a manifestação tem como pauta a reforma da Previdência e a convocação de eleições diretas. "O ato tem foco na reforma da Previdência, que, na nossa opinião, é o retrocesso mais grave", afirma Guilherme Boulos, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), um dos grupos que integram a Frente Povo Sem Medo. "Estão fazendo a toque de caixa, essa reforma é desastrosa."
Além de manifestações pelo País, as frentes afirmam que haverá paralisações de diversas categorias no mês de março. "Não é uma ação única, serão semanas de intensa mobilização", diz Bonfim. Um acampamento do MTST, por exemplo, foi montado há cerca de uma semana na frente da sede da presidência em São Paulo, na avenida Paulista. Boulos informa que os atos encamparão outras críticas ao governo, como a indicação de Alexandre de Moraes para a vaga de Teori Zavascki no Supremo Tribunal Federal, que chamou de "escandalosa".
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia