Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 17h41.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

sistema carcerário

22/02/2017 - 15h52min. Alterada em 22/02 às 17h47min

Presos cultivam mudas de morango em Charqueadas

Projeto de inclusão social envolve 15 presos da Colônia Penal Agrícola

Projeto de inclusão social envolve 15 presos da Colônia Penal Agrícola


Susepe/Divulgação/JC
Os apenados do regime semiaberto da Colônia Penal Agrícola, no município gaúcho de Charqueadas, estão cultivando mais de 2,5 mil mudas de morango orgânico em projeto de inclusão social.
O projeto é uma parceria entre Secretaria do Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) e Superintendência dos Serviços Penitenciários (Susepe).
Iniciada em outubro de 2016, a atividade estimula a solidariedade entre os internos, gera qualificação profissional para a vida fora da prisão e concede remição de pena (três dias trabalhados diminui um). Além disso, envolve 15 presos e deve ser ampliado nos próximos meses para incluir novos voluntários.
Conforme o diretor da unidade, Gustavo Schwarz, garantir o trabalho prisional é essencial para a correção do interno. "Queremos priorizar o desenvolvimento de mudas para nos tornarmos autossustentáveis na produção e cultivo, além de gerar o trabalho, essencial no sistema carcerário", afirmou.
O setor prisional enfrenta uma das maiores crises da história e que está ligada à superlotação, péssimas condições de presídios e carência de vagas. Em Canoas, tem um presídio modular pronto, mas sem funcionar. Recentemente, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que presos que ficam em celas superlotadas devem ser indenizados. Para elevar a tensão, a Polícia Civil gaúcha revelou, nesta quarta-feira (22), que uma facção do Presídio Central, agora cadeia Pública de Porto Alegre, estava fazendo um túnel para uma fuga em massa
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia