Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017. Atualizado às 17h48.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

22/02/2017 - 14h39min. Alterada em 22/02 às 14h43min

Professores protestam contra mudanças na rede municipal de Porto Alegre

Secretário de Educação foi escoltado pela Guarda Municipal devido ao protestos dos professores

Secretário de Educação foi escoltado pela Guarda Municipal devido ao protestos dos professores


Marcelo G. Ribeiro/JC
Isabella Sander
A manhã desta quarta-feira (22) foi marcada pelo protestos de centenas de professores em frente à sede da Secretaria Municipal de Educação (Smed), na Rua dos Andradas, em Porto Alegre. A categoria é contrária às mudanças anunciadas pela prefeitura nessa terça-feira (21), envolvendo a organização diária do Ensino Fundamental das escolas municipais.
Após reunião sem avanços com o secretário municipal de Educação, Adriano de Brito, os docentes chegaram a impedir a saída do gestor das dependências do prédio durante duas horas. Segundo Jonas Reis, diretor-geral do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), a indignação da categoria se deve à mudança “em toque de caixa”, logo antes do início do ano letivo, marcado para 6 de março.
“Essa alteração muda toda a organização da carga horária dos professores e a forma de receber os alunos nas escolas. Com a proposta do prefeito Nelson Marchezan Júnior, os alunos vão perder meia hora de aula por semana”, destaca Reis.
Até hoje, os alunos tinham aulas quatro dias por semana com professores titulares e aulas com professores volantes (itinerantes) nas terças-feiras – dia usado pelos educadores para planejamento das aulas. Nas quintas-feiras, entre as 10h20min e as 12h, os estudantes eram dispensados para a realização de reuniões pedagógicas entre os docentes. Das 7h30min às 8h20min e das 11h10min às 12h, as turmas eram levadas de forma revezada pelos educadores até o refeitório, para café da manhã e almoço. O recreio ocorria das 10h às 10h20min.
Com a mudança, o café da manhã será servido para todos das 7h30min às 8h e o almoço ocorrerá a partir das 12h. As aulas com professores titulares serão diárias, das 8h às 12h, com exceção das quintas-feiras das 10h30min às 12h, quando os docentes volantes ou auxiliares darão atividades enquanto a reunião pedagógica acontece junto aos titulares. O recreio ocorrerá das 10h15min às 10h30min. Além disso, os períodos serão reduzidos de 50 para 45 minutos. Os professores reivindicam que o novo decreto seja revogado.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Rejane Marques Alves 22/02/2017 17h44min
As informações estão equivocadas..café servido das 7h as 7h30 . Nunca depois.. professor volante não é itinerante.. e os refeitórios não comporta todos os alunos no turno. Com a mudança os alunos perdem 30 minutos de aula por dia...