Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017. Atualizado às 16h25.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

futebol

Alterada em 17/02 às 17h29min

Ministro do Esporte volta a defender cadastro de torcedores, idealizado em 2013

Agência O Globo
Em entrevista ao "Redação Sportv" nesta sexta-feira (17), o ministro do Esporte, Leonardo Picciani, foi questionado a respeito da violência entre as torcidas e disse que foi definido, em reunião com o Ministério da Justiça, que haverá a criação do Cadastro Geral das Torcidas, uma ideia que o futebol brasileiro espera ao menos desde 2013.
"Essa questão é inadmissível. Essa violência afugenta as famílias dos estádios. Na semana passada fizemos longa reunião com o Ministério da Justiça, e decidimos que faremos um cadastro das organizadas",  disse Picciani.
"O que a experiência tem nos mostrado é que os que brigam são sempre os mesmos. Queremos identificar esses torcedores e, com essa identificação, vamos entregá-los ao judiciário, a fim de criar medidas de banimento, para que esses indivíduos fiquem impedidos de ir a estádios e tenham que se apresentar às delegacias, ao fórum, no momento dos jogos."
Não é a primeira vez que os ministérios do Esporte e da Justiça têm conversas a fim de coibir a violência das torcidas organizadas e criar um cadastro nacional de torcedores e delegacias especializadas para incidentes com torcidas. Em 2013, durante a gestão Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo (Justiça) e Aldo Rebelo (Esporte) surgiram com a ideia de identificar os membros de torcidas conforme sua periculosidade.
Em fevereiro de 2015, a pasta do Esporte estava a cargo de George Hilton, que prometia criar o cadastro até o fim do ano. No mesmo ano, a Comissão Nacional de Prevenção da Violência e Segurança nos Espetáculos Esportivos (sob a sigla Consegue) realizou duas reuniões.
Formada por membros dos dois ministérios e de outros setores ligados ao futebol e seu policiamento, a turma multidisciplinar chegou anunciar um documento que unificava as ações das polícias Civil e Militar e dos Corpo de Bombeiros envolvidos em eventos esportivos. Mas nenhum outro avanço saiu das conversas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia