Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 03 de março de 2017. Atualizado às 08h30.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Affonso Ritter

Observador

Notícia da edição impressa de 01/03/2017. Alterada em 01/03 às 20h12min

Sartori e o Banrisul

Luiz Guimarães, interino
O governador José Ivo Sartori é o convidado do Tá na Mesa da Federasul do próximo dia 15 de março. Certamente, será questionado sobre a renegociação da dívida do Estado pelo chamado Regime de Recuperação Fiscal, que implica no oferecimento de garantias para que o Tesouro gaúcho possa contrair novos empréstimos e ainda ficar 36 meses sem pagar as parcelas devidas à União. Daí virá a questão mais emblemática desta negociação que se arrasta: o governo federal está mesmo exigindo a venda do Banrisul para fechar o acordo ou tudo não passa de invenção da imprensa do centro do País?
Sartori e o duodécimo
Outra questão que o governador poderá esclarecer é se há uma negociação em andamento com os poderes Legislativo e Judiciário, Tribunal de Contas, Ministério Público e Defensoria Pública sobre o chamado duodécimo. A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que previa que o cálculo dos repasses a estes poderes levasse em conta o orçamento realizado e não o previsto foi o único do pacote de reestruturação do Estado a ser rejeitado no final do ano passado. A questão tem que efetivamente ser repensada, afinal, o sacrifício para recompor as finanças do Estado tem que ser divido entre toda a sociedade. A economia para os cofres públicos seria de aproximadamente R$ 580 milhões, quase a metade de uma folha de pagamento.
Gestão da água na Braskem
Desde sua fundação, em 2002, até o ano passado, a Braskem já aportou cerca de R$ 280 milhões em projetos para melhoria da eficiência hídrica. Como resultado, atingiu um recorde em sua história com o índice de 1,11m³/t na geração de efluentes líquidos, o que representa uma melhora acumulada de 41% desde 2002, além de uma economia de R$ 115 milhões com tratamento de efluentes. O esforço já rendeu à empresa uma economia superior a R$ 175 milhões.
Mapa do emprego no varejo
A remuneração média mensal dos gaúchos que atuam no comércio varejista foi de R$ 1.478,80 em 2015. São 457.952 trabalhadores no Rio Grande do Sul que fazem parte do quadro de estabelecimentos localizados principalmente na Região Metropolitana da Capital, que concentra 216.430 empregados desse ramo. A radiografia do emprego será divulgada na íntegra em 8 de março.
Tecnologia gaúcha no Vietnã
A Northern Power Corporation, distribuidora de energia elétrica da região Norte do Vietnã, instalou o Elipse Power Gateway para monitorar 14 de suas subestações localizadas em duas províncias situadas respectivamente a 20 e 350 quilômetros da capital Hanói. Com a solução da gaúcha Elipse Software, desenvolvedora de tecnologias para o gerenciamento de processos, a empresa consegue ter acesso remoto às informações sobre os sistemas de alarme anti-incêndio, medidores, relés, transformadores e RTUs de diferentes fabricantes existentes nas subestações.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Francisco Berta Canibal 03/03/2017 06h52min
Dificil entender a posição sobre o Banrisul. Os bancos do RGSul, e isto é histórico, todos pelo pouco que sei não tiveram sucesso, inclusive o socorro que houve para salvar o sistema Sul Brasileiro, quando se criou o Meridional. Se o Banrisul é tão importante por que que não financ. a folha dos funcionários públicos do Estado. Por não ter recurso?? ou simplesmente está mais como um imblema dos ufanismos do nosso Estado, que ao longo dos anos só vem prej. o desenvolvimento