Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 28 de fevereiro de 2017. Atualizado às 22h49.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Carlos Pires de Miranda

De Olho na tevê

Notícia da edição impressa de 01/03/2017. Alterada em 28/02 às 22h14min

Urgência atendida

Lucas Barrios é um nome forte, respaldado por atuações em temporadas pretéritas. Não achar espaço no fulgurante elenco do Palmeiras não o desclassifica, apenas permitiu que seu futebol reapareça no Grêmio, carente de um jogador de frente que marque gols. Barrios, em tese, não vem substituir a ninguém, vai aperfeiçoar o sistema de jogo, dar mais efetividade ao time. Resta uma questão: quem fará a bola chegar até ele?
O Grêmio acerta com Gastón Fernández, de La U. Terá a capacidade de Douglas para lançar, cadenciar, arrumar a casa, o setor de criação gremista?
Inter, Série B sem susto
Dizem que um diretor se assustou ao ser confrontado com a tabela, que começa fora de casa contra o Londrina, prossegue contra o ABC de Natal, no Beira-Rio, e por aí vai. Bem, campeão invicto ele não será, talvez nem mesmo ganhe o título. Sem problemas: o quarto colocado também sobe. Mas o que exatamente me dá a certeza desse rápido retorno à Série A é a tabela: são 38 jogos, metade em casa, contra adversários que não têm a grandeza do Inter. Mata-mata, sim, proporcionaria grandes riscos. Por pontos corridos, passam os melhores. E nessa turma estão os colorados.
Fogo de palha ou terceira força?
Há quem julgue a entusiasmante campanha do Novo Hamburgo como algo que será efêmero, frente ao poderio de Grêmio e Inter. Não tenho dúvidas de que, da dupla, pelo menos um estará na final. É praxe. Só quero lembrar que chegamos quase à metade da fase classificatória e o Noia só conheceu vitórias. Em casa ou fora dela, quem se apresentou apanhou, e de forma convincente como foi em Rio Grande. O time do Vale tem invejável saldo de gols, melhor defesa, melhor ataque e, certamente, a torcida de muita gente Rio Grande afora. Incluindo o colunista.
Grêmio, vice-campeão
O Corinthians desmontou dois times inteiros e a comissão técnica, desde o título brasileiro de 2015. As consequências não vieram apenas em campo, mas também no número de sócios: trocou a primeira pela quinta posição no ranking. Perdeu 53 mil dos 135 mil sócios de antes e agora vem atrás de Palmeiras (126 mil), Grêmio (114 mil), Inter e São Paulo (ambos em torno de 112 mil). Pode ser que o cenário mude, basta uma série de vitórias, ou até algum título, mas a fidelidade da torcida colorada, apesar da Série B, merece registro. Na desgraça é que se conhecem os amigos.
Pitacos
Demorei a descobrir por que sempre me pareceu familiar a fisionomia de Rodrigo Dourado: ele é a cara do impagável Butt Head, parceiro de Beavis nos bons tempos da MTV. *** A RBS TV perdeu Paulo Britto, seu principal narrador. Mas pelo menos desistiu daquele ridículo, impróprio e inadequado epíteto, "o charmoso Gauchão". Arre! *** Consegui escrever a coluna sem mencionar o Grenal de sábado. O Grêmio é favorito, mas o clássico sempre se presta a surpresas - D'Ale pode ser a maior delas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia