Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 12 de fevereiro de 2017. Atualizado às 21h08.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

QUADRINHOS

Notícia da edição impressa de 13/02/2017. Alterada em 10/02 às 16h52min

Terceira edição do Mundo HQ começa nesta segunda-feira

Mundo HQ promove oficinas, palestras e exposições sobre quadrinhos e cultura nerd ao longo da semana

Mundo HQ promove oficinas, palestras e exposições sobre quadrinhos e cultura nerd ao longo da semana


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
Ricardo Gruner
"Nós brincamos que é a nona arte, mas oficialmente ninguém validou isso." A frase é de Márcio Cabreira, um dos curadores do terceira edição do Mundo HQ, evento voltado ao universo dos quadrinhos e ao universo nerd. De hoje a sábado, o evento acontece no Rua da Praia Shopping (Andradas, 1.001), com oficinas, palestras, feira de revistas e exposição de figuras de ação colecionáveis. A programação busca proporcionar uma visão geral de como os quadrinhos são feitos e qual sua relevância para a cultura pop.
Se, no ano passado, a principal atração da agenda foi um encontro com Sidney Gusman, responsável pelo planejamento editorial da Mauricio de Sousa Produções, desta vez, há um debate sobre crítica social. Os convidados são Alexandre Beck, criador do personagem Armandinho, e Daniel HDR - um dos primeiros brasileiros a entrar no mercado norte-americano, com trabalhos na Marvel e na DC Comics.
O cronograma ainda conta com quadrinhos on-line, trabalhos independentes e filosofia. Os primeiros temas, por exemplo, tiveram um boom nos últimos anos no País. "Tem um pessoal que surgiu na internet e foi para as lojas, caso do Gustavo Borges e do Pedro Leite. Eles trabalham com financiamento coletivo", exemplifica Cabreira, que também é desenhista e um dos administradores do portal Toy Quest, apoiador do evento. "O público está indo atrás, e muitos produtores têm usado esse sistema. De repente tu consegues R$ 20 mil ou R$ 30 mil em um projeto, valor que não irias ganhar em 10 anos de editora."
O crescimento deste público, conforme o curador, está ligado a pelo menos três pontos. Um deles é o fato daqueles que cresceram lendo super-heróis ou outras histórias gráficas nos anos 1980 e 1990 agora estarem no mercado de trabalho, com poder aquisitivo para consumir. Outro é a acessibilidade: décadas atrás, a defasagem de uma HQ no Brasil podia chegar até a 20 anos em relação à publicação original - hoje, não chega a seis meses. E ainda há a questão dos filmes e games. O universo cinematográfico, especialmente o da Marvel, expandiu a marca e os personagens. O Homem de Ferro, por exemplo, não era um protagonista tão conhecido e hoje é um carro-chefe da empresa.
Segundo Cabreira, os quadrinhos e as graphic novels também estão sendo melhor aceitas pelo público em geral. "O pessoal está entendendo que não é um gênero fechado e que têm diversas coisas em comum com a literatura", afirma ele, citando o clássico Maus, trabalho de Art Spiegelman sobre o holocausto. Em 1992, a obra ganhou um inédito prêmio Pulitzer especial. Outro exemplo é Dois irmãos: o livro de Milton Hatoum foi adaptado para os quadrinhos por Fábio Moon e Gabriel Bá - que, em 2016, ganharam o prêmio Eisner, o Oscar da categoria, pelo trabalho. Em seguida, a narrativa também ganhou versão na televisão.
Entretanto, o curador cita que ainda há um certo preconceito - inclusive por parte de quem atua no mercado. "Temos poucas lojas físicas especializadas em figuras de ação, e, às vezes, tu vais comprar um produto e perguntam se é para presente", lamenta ele. "E ninguém acha engraçado um cara com camiseta do Grêmio ou do Internacional, mas acha se a camiseta é do Capitão América. Queremos desmistificar isso", encerra ele, crente que o Mundo HQ preenche uma lacuna no verão. Em agosto, acontece o maior evento no Estado dedicado ao tema, a ComicCon RS.

AGENDA

Hoje
18h: abertura da exposição dos originais
18h30: Quadrinhos na web - palestra com Pedro Leite e Gustavo Borges
19h30: Criação de webcomics - oficina com Roger Goulart
Amanhã
17h30: Roteiro para quadrinhos - oficina com Guilherme Smee
18h30: O HQ independente brasileiro lançado para o mercado norte-americano - palestra com Thivá Froés
Quarta-feira
11h às 19h: Feirão de quadrinhos
17h: Minicurso de tirinhas, como criar sua própria história em quadrinhos - oficina com Márcio Cabreira
Quinta-feira
17h: Aquarela - oficina com Matias Streb
18h30: Filosofando com os super-heróis - palestra com Gelson Weschenfelder
Sexta-feira
18h30: Quadrinhos como instrumento de crítica social - bate-papo com Alexandre Beck e Daniel HDR
Sábado
9h às 19h: exposição colecionáveis Star Wars
14h: Star Wars e a revolução dos colecionáveis, palestra com Alexandre Lopes
14h: Cosplay - participação de personagens Star Wars
Inscrições pelo e-mail contato@ruadapraiashopping.com.br ou pelo telefone (51) 3211-6603
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia