Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h39.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Prefeitura de Porto Alegre

Notícia da edição impressa de 11/01/2017. Alterada em 10/01 às 21h46min

Marchezan anuncia dois novos secretários

Prefeito (c) quer realizar parcerias com a iniciativa privada para qualificar a área de segurança pública

Prefeito (c) quer realizar parcerias com a iniciativa privada para qualificar a área de segurança pública


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Bruna Suptitz
O prefeito Nelson Marchezan Junior (PSDB) anunciou ontem os titulares de duas secretarias: a gestão da Segurança Pública ficará com Kleber Roberto de Lima Senisse, coronel da reserva da Brigada Militar, e terá como adjunta Claudia Cristina Santos da Rocha Crusius, delegada da Polícia Civil; e a Secretaria de Serviços Urbanos ficará com o vereador Ramiro Rosário (PSDB).
A criação de um fundo municipal de segurança e a busca de parcerias com a iniciativa privada para financiar ações da pasta no município são soluções apresentadas por Marchezan para investir na área em meio a dificuldades no caixa. "Vamos buscar recursos na iniciativa privada, em setores que tenham interesse que Porto Alegre seja uma cidade mais segura, como nas áreas de seguros, de sistemas financeiros, e qualquer pessoa que queira viver melhor em Porto Alegre e tenha disponibilidade financeira", informou Marchezan, sem especificar como será implantada a proposta.
Com experiência na gestão de grandes eventos - Senisse coordenou o grupo de segurança durante a Copa do Mundo de 2014 no Estado -, o novo secretário propõe trazer essa experiência para a atuação na Secretaria de Segurança. "Tínhamos instituições integradas, unidas, tecnologias colocadas em prática e a população trabalhando na segurança. Este vetor é que pretendemos trazer para Porto Alegre para que seja uma referência dentro de um processo integrado", afirma Senisse.
Já Rosário comandará uma das novas secretarias criadas a partir da reforma administrativa da atual gestão. A pasta de Serviços Urbanos reúne a parte das atividades prestadas pelos departamentos municipais de Limpeza Urbana (DMLU) e Esgotos Pluviais (DEP). As demais funções dos órgãos ficarão a cargo da Secretaria de Infraestrutura e Mobilidade Urbana.
Entre suas primeiras ações à frente da pasta, o secretário informou que irá visitar as casas de bomba da Zona Norte da cidade, para conhecer o funcionamento e buscar solução aos constantes alagamentos na região em épocas de chuva mais intensa.
Rosário, que exerce sua primeira legislatura na Câmara Municipal, foi o único vereador eleito pelo PSDB para a Casa, para o seu primeiro mandato. Com o anúncio do também vereador Ricardo Gomes (PP) para ocupar o cargo de secretário de Desenvolvimento Econômico, a vaga dele na Câmara foi ocupada por Moisés Barboza, do PSDB, já que os partidos também se coligaram na eleição proporcional. Com a saída de Rosário, a cadeira será ocupada por Matheus Ayres, do PP.
Passados 10 dias do início do seu governo, o prefeito ainda não formou todo o secretariado. Seguem pendentes de titulares as pastas de Sustentabilidade, Planejamento e Gestão e Transparência e Controladoria-Geral.
 

Subprefeituras poderão ser criadas para facilitar diálogo com a população

Outra proposta apresentada por Marchezan é a criação de subprefeituras, a exemplo do que existe hoje com os Centros Administrativos Regionais (CARs). O prefeito, contudo, não apresentou projeto de atuação nem quantas regiões serão atendidas pelo modelo. Segundo informou, o Executivo pretende buscar exemplos em outras cidades. A gestão pretende que o espaço cumpra a função de intermediar o diálogo entre o cidadão e os secretários municipais e o próprio prefeito. "A ideia é reduzir algumas despesas utilizando a prestação de serviços", disse. Com isso, afirma Marchezan, as secretarias poderão pensar em ações futuras dentro de cada área. O modelo proposto para Porto Alegre já é adotado em cidades como São Paulo, Curitiba e Caxias do Sul.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia