Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h39.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 11/01/2017. Alterada em 10/01 às 22h32min

Cumpra-se a lei!

Paulo Franquilin
Nosso país deve ser o campeão mundial de legislações, pois existem leis para tudo, numa confusão que sempre prejudica o cidadão mediano, que não consegue ter atendido seus mínimos direitos por parte do Estado, porque não possui conhecimento e não tem apoio jurídico gratuito para que possa questionar o não atendimento de suas demandas diárias de segurança, educação e saúde, só para falarmos das funções básicas dos governos. No entanto temos casos de pagamentos de indenizações milionárias para determinados grupos da sociedade, normalmente ligados ao sistema de poder, que são facilmente liberados, inclusive com retroatividade, sempre com a alegação de que está apenas sendo cumprida a legislação sobre o assunto, enquanto casos de necessidades de remédios, omissão do Estado na defesa da vida do cidadão e acesso ao ensino básico, tem decisões desfavoráveis ao cidadão ou ainda, quando favoráveis, não são cumpridas pelos governantes.
O caso recentemente divulgado sobre as indenizações às famílias dos presos mortos em Manaus, durante um confronto entre facções dentro do sistema carcerário amazonense, mostra a agilidade com que um assunto de repercussão tem prioridade no cumprimento da lei, enquanto casos diários de omissões do Estado viram batalhas judiciais para que se protelem os pagamentos devidos aos cidadãos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia