Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 08 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h26.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

artigo

Notícia da edição impressa de 09/01/2017. Alterada em 08/01 às 22h26min

Shoppings: flexibilizar para sobreviver

Nilva Bellenzier
O setor de shopping centers brasileiro acaba de encerrar o ano de 2016 com saldo negativo de 18,1 mil lojas. Isso significa uma queda de 12,9% sobre 2015, segundo a Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shopping). As vendas de 2016 também não se mostraram positivas e indicaram uma queda de 9,7% em relação aos resultados do setor no ano anterior. Ou seja, o que antes era um sonho dourado, com todo aquele deslumbramento de ter uma loja em um local conceituado e de grande circulação, está virando um verdadeiro pesadelo para muitos empresários do varejo.
Empreendedores de diferentes segmentos e portes têm procurado a CDL Porto Alegre para tratar de suas dificuldades com as administrações dos empreendimentos. Muitos já não têm esperanças de conseguirem resolver suas questões individualmente e, frequentemente, dizem que sequer conseguem ser atendidos pelo alto escalão dos centros comerciais.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia