Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 03 de janeiro de 2017. Atualizado às 21h33.

Jornal do Comércio

Opinião

CORRIGIR

Artigo

Notícia da edição impressa de 04/01/2017. Alterada em 03/01 às 21h03min

2017 no azul

Denise Hills
Com a chegada de 2017, por que não tirar os planos do papel e organizar sua vida financeira? Reflita: quais são os seus objetivos? Comprar um carro, fazer uma viagem, quitar as dívidas? Depois de pensar, priorize-os e avalie o quanto será necessário para colocar seus planos em prática. Se você quer, por exemplo, fazer uma viagem que custa R$ 2,4 mil, precisará economizar R$ 200,00 por mês dentro de um ano. Se o objetivo não couber no orçamento, há dois caminhos: aumentar os ganhos ou reduzir os gastos.
Para reduzir os gastos, analise suas despesas mensais e veja quais são prioridades para você e sua família. Quais gastos dá para cortar? Privilegie o que for indispensável, pesquise preços, negocie descontos... Se a opção for aumentar os ganhos, uma dica é pensar naquilo que você já faz bem, como cozinhar, costurar ou ensinar alguma habilidade.
Quem já está conseguindo poupar algum dinheiro, parabéns! Para organizar melhor o dinheiro guardado, uma dica é separá-lo em três reservas. A primeira delas pode ser destinada aos imprevistos. A segunda deve ser direcionada para projetos de vida, para lhe ajudar a conquistar os seus planos, como, por exemplo, abrir o próprio negócio. E a última, mas não menos importante, é o que você deve destinar para a aposentadoria. Se você contribui para a Previdência oficial, que é o INSS, já paga por uma aposentadoria. Avalie se o valor do INSS será suficiente para proporcionar o nível de qualidade de vida que você deseja ter no futuro. Caso não seja, vale a pena pensar numa reserva complementar.
Cuidar do dinheiro e fazer o planejamento não é um bicho de sete cabeças. Comece. E mesmo que não funcione na primeira vez, tente de novo, sempre de uma forma simples, que funcione para você!
Superintendente de Sustentabilidade e Negócios Inclusivos do Itaú Unibanco
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia